Volver a los detalles del artículo Los efectos de la práctica del Slackline en la atención concentrada


Os efeitos da prática do Slackline na atenção concentrada

The Effects of Slackline Practice on Concentrated Care

Los efectos de la práctica del Slackline en la atención concentrada

 

Nilo Terra Arêas Neto*

terra.nilo@gmail.com

Arthur Magno Monteiro da Silva**

arthuur.magno@gmail.com

Lourival Martins Alvarenga***

lm.alvarenga@hotmail.com

Roberto Gomes Assis Neto***

robertogomes137@gmail.com

João Vitor Monteiro Fernandes***

jv_mfernandes@hotmail.com

 

*Doutor em Ciências da Saúde; Mestre em Ciência da Motricidade Humana

Docente nos Institutos Superiores de Ensino do CENSA-ISECENSA

Orientador da pesquisa que deu origem a este artigo, financiado pelo Programa

Institucional de Bolsa de Iniciação Científica - PIBIC-ISECENSA

**Acadêmico do Curso de Educação Física dos Institutos Superiores de Ensino

do CENSA- ISECENSA; aluno bolsista do Programa Institucional

de Bolsa de Iniciação Científica - PIBIC-ISECENSA

***Acadêmico do Curso de Educação Física

dos Institutos Superiores de Ensino do CENSA-ISECENSA

(Brasil)

 

Recepção: 18/06/2018 - Aceitação: 18/01/2019

1ª Revisão: 23/09/2018 - 2ª Revisão: 16/01/2019

 

Este trabalho está sob uma licença Creative Commons

Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional (CC BY-NC-ND 4.0)

https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/deed.pt

 

Resumo

    O objetivo deste estudo foi verificar se, por suas demandas específicas relacionadas a manutenção do equilíbrio, a prática do Slackline pode contribuir na melhora da atenção concentrada de crianças em idade escolar, com dificuldades de aprendizagem. Assim, 06 (seis) crianças com idade entre 09 e 12 anos foram incluídas como amostra deste estudo, que contou como uma ação intervencionista por um período de 12 semanas, com 2 sessões semanais de 1 hora cada, de treinamento com o Slackline. Para a coleta de dados, utilizou-se o teste da grade numérica na avaliação da Atenção Concentrada. No tratamento estatístico utilizou-se de métodos de estatística descritiva. Para a inferência dos resultados obtidos no processo de testagem se utilizou do Teste t Student para amostras dependentes. Os resultados encontrados apontam para uma melhora estatisticamente significativa no desempenho obtido pelos indivíduos da amostra. Apesar de insuficiente, esse resultado credencia essa modalidade como potencial estratégia de incremento das aprendizagens, a partir da melhora da capacidade de concentração de seus praticantes.

    Unitermos: Slackline. Atenção concentrada. Aprendizagem.

 

Abstract

    The objective of this study was to verify if, due to its specific demands related to balance maintenance, the practice of Slackline can contribute to the improvement of the concentrated attention of children of school age. Thus, six (6) children aged between 9 and 12 years whit difficult learning were included as a sample of this study, which counted as an intervention action for a period of 12 weeks, with 2 weekly sessions of 1 hour each, of training with Slackline. For the data collection, the numerical grid test was used in the Evaluation of Concentrated Attention. In the statistical treatment, descriptive statistical methods were used. For the inference of the results obtained in the test process, the Student t Test was used for dependent samples. The results show a statistically significant improvement in the performance achieved after the training period with Slackline. This result, although still inconsistent, points to this modality as a potential strategy to increase learning, based on the improvement of the concentration capacity of its practitioners.

    Keywords: Slackline. Concentrated attention. Learning.

 

Resumen

    El objetivo de este estudio fue verificar si, por sus demandas específicas relacionadas al mantenimiento del equilibrio, la práctica del Slackline puede contribuir en la mejora de la atención concentrada en niños en edad escolar, con dificultades de aprendizaje. Así, 6 (seis) niños con edad entre 9 y 12 años fueron incluidos como muestra de este estudio, que contó como una acción de intervención por un período de 12 semanas, con 2 sesiones semanales de 1 hora cada una, de entrenamiento con Slackline. Para la recolección de datos, se utilizó la prueba de la cuadrícula numérica en la evaluación de la Atención Concentrada. En el tratamiento estadístico se utilizaron métodos estadísticos descriptivos. Para la inferencia de los resultados obtenidos en el proceso de prueba se utilizó el Test t Student para muestras dependientes. Los resultados encontrados apuntan a una mejora estadísticamente significativa en el desempeño obtenido por los individuos de la muestra. A pesar de insuficiente, ese resultado acredita esa modalidad como potencial estrategia de incremento de los aprendizajes, a partir de la mejora de la capacidad de concentración de sus practicantes.

    Palabras clave: Slackline. Atención concentrada. Aprendizaje.

 

Lecturas: Educación Física y Deportes, Vol. 23, Núm. 249, Feb. (2019)


 

Introdução

 

    Reconhecida como uma função psíquica superior, a atenção está ligada à ideia de foco e de consciência. É uma faculdade mental que tem estreita relação com outras atividades mentais como a percepção, a memória e o planejamento de ações, motrizes ou não (Vygotski, 1998; Gertsenchtein, 2011).

 

    Richards (2005) afirma que desde os primeiros dias de vida a atenção é uma função cognitiva já presente. Inicialmente, tem função de orientar nossos sentidos aos estímulos do ambiente e posteriormente, à medida que o cérebro se desenvolve, passa a administrar de forma seletiva os recursos de processamento de informação, isto é, focar a atenção em um estímulo e inibir o outro para que haja efetividade no processo de aprendizagem em memória.

 

    Existem diversas teorias quanto à origem e aos tipos de atenção. Para Lent (2001), a atenção pode ser dividida em dois tipos: atenção explícita, referida como processos conscientes, tal como focar um determinado objeto em detrimento do outro voluntariamente, e a atenção implícita, que seriam os processos não conscientes, e estariam relacionados a estímulos ao redor do campo visual do indivíduo.

 

    Gaddes e Edgell (1994, apud Cecílio-Fernandes e Rueda, 2007) afirmaram existir outros tipos de atenção: a atenção sustentada, que seria a capacidade de manter o foco durante um longo período de tempo; a atenção dividida, que consistiria em focalizar dois estímulos diferentes de informação simultaneamente; a atenção seletiva ou atenção concentrada, que seria um tipo específico de atenção, definida como a capacidade de selecionar um único estímulo em detrimento de outros num determinado período de tempo.

 

    Segundo Leão Braga (2007), a atenção concentrada consiste na capacidade do indivíduo de selecionar estímulos relevantes do ambiente, concentrando-se apenas neles, e crianças com dificuldades em manter a atenção e concentração possuem maior dificuldade em consolidar os eventos de aprendizagem em memória (Barkley, 2002; Franco de Lima et al., 2006; Vasconcelos et al., 2003; Calomeni et al., 2008; Arêas Neto et al., 2009). Isso acontece porque antes dos processos de retenção e consolidação em memória, os eventos de aprendizagem passam por um processo de seleção, no que os sistemas de memória só permitem a aquisição e apreensão dos aspectos mais importantes, relevante para a cognição ou mais focados pela atenção (Ladewig, 2000).

 

    Atualmente a questão atencional é apontada por muitos educadores como sério entrave no processo de aprendizagem escolar. Como já dito anteriormente, a atenção é condição necessária para que ocorra o registro e o armazenamento das informações, interferindo efetivamente no processo de aprendizado dos indivíduos. Não conseguir focar a atenção no evento sendo ensinado contribui para a dispersão do indivíduo, interfere no ritmo de aprendizagem e no andamento de uma classe, quando é o caso. Em se pensando na efetivação de um evento de aprendizagem qualquer, seja ele motriz, afetivo ou estritamente cognitivo, a capacidade ou habilidade de focar a atenção pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso escolar (Leão Brasil, 1984; Barkley, 2002; Franco de Lima et al., 2006; Vasconcelos et al., 2003; Calomeni et al., 2008; Arêas Neto et al., 2009).

 

    Ainda em referência ao parágrafo acima, Capellini et al. (2015) advertem que, para além das aprendizagens escolares, os sintomas de desatenção também podem gerar problemas de comportamento e nas relações sociais dos indivíduos acometidos por essa característica.

 

    Também o advento da tecnologia é fator contribuinte no processo de chegada de novos e variados estímulos ao córtex cerebral, que acontece de forma acelerada, demandando respostas cada vez mais rápidas e adequadas (Barkley, 2002; Vasconcelos et al., 2003; Souza et al., 2001 apud Calomeni et al., 2008; Luria, 1979, apud Tanaka, 2007).

 

    Segundo Lent (2001), prestar atenção, de forma geral, significa focalizar a consciência, concentrando os mecanismos mentais em uma única tarefa principal e remeter as demais para segundo plano. Ainda de acordo com este mesmo autor, este processo focalizador só ocorre devido à capacidade do indivíduo sensibilizar seletivamente um conjunto de neurônios de determinadas regiões cerebrais que realizam a tarefa principal, inibindo as demais.

 

    Neste contexto, o Slackline surge como mais uma atividade a contribuir de forma lúdica e prazerosa no treinamento dessa competência mental, visto que tanto os iniciantes quanto os veteranos são unânimes em relacionar a prática do Slackline ao desenvolvimento da concentração, do equilíbrio, além de melhorar a tonicidade e a respiração (Cássaro, 2011).

 

    O Slackline pode ser considerado como uma nova versão da corda de bamba de circo, que em vez do fio de aço usa uma fita de poliéster estendido entre árvores ou postes, para que o indivíduo cruze em equilíbrio ou faça movimentos acrobáticos em cima de uma fita, feita quase sempre em poliéster de aproximadamente 25 mm a 50 mm de largura por 10 m a 50 m de comprimento, podendo fugir a essas especificações, dependendo da abordagem do praticante (iniciação, trickline ou highline). É uma prática relativamente nova, surgida, da forma como é conhecida hoje, nos anos 80, no vale do Yosemite, Califórnia, Estados Unidos, através de escaladores (Cássaro, 2011).

 

    Há também a vantagem dessa modalidade poder ser praticada ao ar livre, com a presença do vento, o que gera maior instabilidade e, consequentemente, uma demanda maior e constante pela manutenção do equilíbrio, seja ele estático, dinâmico ou recuperado. Acredita-se aqui que essa demanda por equilíbrio obriga o individuo a focar e manter a atenção concentrada na tarefa de equilibrar-se numa superfície estreita e instável. Assim, esse estudo também justifica-se também pela possibilidade de que seus resultados contribuam no aprofundamento do conhecimento científico sobre práticas alternativas, de baixo custo e de caráter lúdico e desafiador que objetivem minimizar os efeitos da desatenção (Garcia, 2001; apud Serra e Leal, 2007).

 

    Por isso, o objetivo deste estudo foi verificar, por meio de teste validado da variável "atenção concentrada" (Harris e Harris, 1984; Calomeni et al., 2008; Arêas Neto et al., 2009), se a prática do Slackline pode ser indicada como estratégia de incremento da capacidade de concentração de crianças em idade escolar e com dificuldades de aprendizagem.

 

Metodologia

 

    Para este estudo a técnica de pesquisa de campo foi a escolhida (Thomas, Nelson e Silverman, 2012). A pesquisa que deu origem a este artigo teve seu projeto submetido e aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos do ISECENSA sob número 43283615.0.0000.5524 e, em todas as etapas da pesquisa foram seguidos os preceitos da Resolução no 466/2012 do Conselho Nacional de Saúde (CNS), que dispõe sobre pesquisas com seres humanos no Brasil (Brasil, 2013). Todos os indivíduos da amostra assentiram participar voluntariamente da investigação, tendo sua participação na pesquisa sido autorizada por seus representantes legais.

 

    Como critérios de inclusão e exclusão na amostragem deste estudo foram utilizados parâmetros de saúde física, no qual todos os indivíduos incluídos na amostragem tiveram sua participação avaliada e autorizada pelo médico da unidade básica de saúde próxima à comunidade Tamarindo, local em que se desenvolve o projeto onde acontece as aulas de Slackline e onde vivem os indivíduos participantes da pesquisa; parâmetros culturais, como estar alfabetizados, visto ser necessário para a realização do teste de "atenção concentrada" que os indivíduos tenham desenvolvido a habilidade cognitiva de "seriar"; além do percentual de frequência às sessões de Slackline, quando os praticantes com frequência menor que 70% do total de sessões realizadas foram excluídos da pesquisa. Desta forma, a seleção dos indivíduos para amostragem do estudo incluiu os alfabetizados de ambos os sexos que participaram de, pelo menos, 16 das 24 sessões de aulas com o Slackline (70%) programadas e executadas durante os meses de Setembro a Novembro de 2017, e que estavam em excelente estado de saúde a época desse estudo, com comprovação atestada por profissional médico. Efetivamente foram incluídos como amostra do estudo 06 (seis) indivíduos de ambos os sexos, com idade entre 09 e 12 anos, estudantes da rede básica de ensino, moradores da Comunidade de Tamarindo em Campos dos Goytacazes e integrantes do projeto sócio acadêmico "Universidade Bairro", dos Institutos Superiores de Ensino do CENSA- ISECENSA. Neste projeto o Curso de Educação Física desta mesma instituição desenvolve ação sócio desportiva cultural, com fins de promoção a saúde da população de crianças e adolescentes da já referenciada comunidade, e também de pesquisa, para os acadêmicos e demais professores e pesquisadores do ISECENSA.

 

    Como instrumento de pesquisa utilizou-se do teste de atenção concentrada, o Teste de Grade (Harris & Harris, 1984), em momentos pré e pós-intervenção com o Slackline, que se deu por um período de 3 meses ou 12 semanas, em 2 sessões semanais de 1 hora cada sessão. O teste de grade consiste em uma grade com números distribuídos aleatoriamente de 00 a 99 em uma folha de papel, como se pode ver na Figura 1. Desta forma, os sujeitos da pesquisa têm um tempo de 2 minutos para marcar os números em sequência, começando em 00. O último é considerado como resultado número indicado, adicionando o número de números identificados em sequência para obter a pontuação final.

 

Figura 1. Imagem do "Teste de Grade", proposto por Harris & Harris (1984)

 

    Os resultados obtidos no processo de testagem foram quantificados, comparados e analisados a partir de métodos de estatística descritiva, no sentido de caracterizar o universo da amostra sob seus aspectos de distribuição de frequência, quando se trata de dados Discretos e o Percentil Escore da pontuação final. Para a verificação da normalidade dos dados foi utilizado o teste de Shapiro-Wilk, no programa R (R version 3.5.1, 2018). Na inferência dos dados se utilizou o Teste t Student para amostras dependentes (Thomas, Nelson e Silverman, 2012). Para isso foi utilizado o programa Excel for Windows (2007).

 

Resultados

 

    Os resultados encontrados apontam para uma melhora estatisticamente significativa no desempenho obtido pelos indivíduos da amostra, quando da comparação dos resultados obtidos no teste "atenção concentrada", antes e após intervenção com as aulas de Slackline, onde se obteve um valor de p=0,01796 (valor aproximado de p=0,02).

 

Tabela 1. Resultado do Teste T Student para amostras dependentes. Período Novembro de 2017

 

Média

Variância

N

df

P (T<=t) bicaudal

Pré teste

4,83333333

2,16666667

6

5

0,01796

Pós teste

8,83333333

8,96666667

6

 

 

Fonte: Elaboração própria

 

    Apesar de ainda insuficiente, esse resultado aponta essa modalidade como potencial estratégia de incremento da aprendizagem, a partir da melhora da capacidade de concentração de seus praticantes.

 

    Abaixo a Tabela 2, com as características do perfil dos indivíduos participantes da pesquisa, bem como seu percentual de frequência às aulas de Slackline durante as 12 semanas de intervenção.

 

Tabela 2. Perfil dos indivíduos participantes do estudo. Período Setembro a Novembro de 2017

Aluno

Idade

Sexo

Aulas feitas

N° de sessões

% frequência

Aluno 1

10

F

22

24

90%

Aluno 2

10

F

22

24

90%

Aluno 3

9

M

16

24

70%

Aluno 4

10

F

16

24

70%

Aluno 5

11

M

16

24

70%

Aluno 6

12

F

16

24

70%

Fonte: Elaboração própria

 

    Logo abaixo, à Figura 2 ilustra os escores obtidos pelos indivíduos da amostra deste estudo durante o teste de atenção concentrada, em momentos pré e pós intervenção com a prática do Slackline, pelo período de 8 semanas ou 16 sessões de treinamento de 1 hora, cada sessão.

 

Figura 2. Apresentação dos resultados obtidos em scores durante o processo de testagem 

da atenção concentrada, em momentos pré e pós intervenção com o Slackline

 

    Para verificação da normalidade dos dados encontrados no processo de testagem pré e pós intervenção utilizou-se do teste de Shapiro-Wilk. Os resultados obtidos no teste de normalidade, tanto no pré (p=0.8043) quanto no pós teste (p=0.3899), da variável "atenção concentrada" não apresentaram significância estatística, demonstrando que os dados analisados seguiram sua distribuição normal.

 

Discussão

 

    Apesar de não encontrar na literatura científica disponível (open access) artigos que trouxessem dados dessa população específica na variável "atenção concentrada", os resultados estatisticamente significativos encontrados nesse estudo também são corroborados pelos resultados obtidos por outros autores em diferentes investigações, que comprovaram que atividades que exigem um alto nível de equilíbrio favorecem o desenvolvimento de atenção concentrada (Cássaro, 2011; Freitas Ribeiro, 2006).

 

    Tido como a tônica da prática do Slackline, o equilíbrio não é apenas a manutenção do controle postural sobre uma base reduzida de sustentação. Equilibrar-se significa ser capaz de se organizar globalmente em situações estáticas e dinâmicas, em função do meio externo e, principalmente, interno. Desta forma, os exercícios que exigem equilíbrio favorecem a ação de mecanorreceptores e do sistema vestibular. Isso acontece porque a instabilidade gerada durante a execução dos movimentos favorece a ação dos proprioceptores para um perfeito controle neuromuscular e consequente manutenção de equilíbrio durante o exercício sendo proposto (Freitas Ribeiro, 2006).

 

    O sistema proprioceptivo é responsável pela modalidade sensorial do tato, compreende a sensação do movimento (sinestesia) e da posição articular. Entre as principais funções desse sistema estão a regulação do equilíbrio, e a orientação do corpo no espaço (Campos e Neto, 2004). Estes autores definem os proprioceptores como tipos de órgãos sensoriais localizados nos músculos, articulações, tendões, ligamentos e pele. A função destes órgãos é conduzir informações sensoriais a partir destas áreas para o sistema nervoso central.

 

    Nesse sentido, a prática com o Slackline parece promover benefícios em relação à função do sistema proprioceptivo e do controle do equilíbrio do indivíduo, uma vez que a todo o momento é necessário um controle postural e uma orientação espacial do corpo em cima da fita, e que não se faz de forma eficiente sem a devida concentração. Mahaffey (2009) apud Pereira (2013), reforçam o Slackline como uma atividade extremamente desafiadora, mas com elevado grau de exigência por concentração.

 

    Segundo estudo de Muchale (2007), a demanda por atenção exigida para a manutenção do equilíbrio postural na fita do Slackline aumenta conforme a exigência da tarefa proposta. A demanda pela manutenção do equilíbrio postural oportuniza que o praticante selecione as informações relevantes e necessárias à realização das tarefas propostas e afaste do foco de atenção os estímulos dispersores a realização das tarefas. Todos os praticantes do Slackline partícipes desse estudo concordaram que permanecer sobre a fita do aparelho exige atenção e concentração total: "Não dá pra pensar em mais nada.." disse uma das meninas que participaram do estudo.

 

    Para Poli et al. (2012), a prática desta atividade em ambientes escolares promove melhorias em relação à aprendizagem cognitiva dos alunos praticantes (Poli et al., 2012).

 

    Pelos resultados obtidos neste estudo, pelas características singulares contidas na prática com o Slackline e já descritas aqui, pode-se afirmar que essa modalidade demanda de seus praticantes um elevado nível de concentração.

 

    Esse elevado nível de concentração para a prática do Slackline pode contribuir na mitigação da dificuldade que alguns indivíduos têm em manter o foco da atenção, na medida em que essa atividade promove ambiência e experiências propícias à estimulação da atenção concentrada (Ladewig, 2000; Richards, 2005).

 

    Muito embora este estudo apenas não seja capaz de oferecer evidências consistentes sobre a questão, este parece ser o caso dos que se expõe a prática com o Slackline.

 

Conclusões

 

    Apesar do baixo número de indivíduos da amostra, pode-se concluir com este estudo que a prática do Slackline contribui objetivamente na melhora da capacidade de concentração de crianças com dificuldades de aprendizagem. Atividade descomplicada e de baixo custo, o Slackline pode ser implementado nas escolas e outros ambientes como uma alternativa de enfrentamento a causa dos problemas decorrentes da falta de atenção no processo de aprendizagem, e que podem atingir indivíduos de qualquer idade, com problemas de aprendizagem ou não. No caso das crianças aqui em estudo, as dificuldades em manter a concentração e aprender são mais facilmente percebidas, podendo ser "tratadas" precocemente. Atualmente classificadas como “desatentas”, “hiperativas” ou com “dificuldades de aprendizagem”, crianças no mundo todo estão num período propício ao desenvolvimento da habilidade de selecionar estímulos importantes para a execução de determinadas tarefas, inibindo também estímulos dispersores, desnecessários a ação motora. O que é preciso para isso? Acredita-se que sem conhecimento e comprometimento por parte de pais e educadores, possíveis soluções ou estratégias mitigadoras para o problema da questão atencional continuem "invisivéis", tanto no ambiente familiar como no ambiente educacional.

 

    Infelizmente, pois, independentemente do indivíduo ter dificuldades de aprendizagem e/ou ser portador do Transtorno e Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), atividades que estimulem e coloquem em ação, mesmo que indiretamente, as estruturas cognitivas responsáveis pelos mecanismos de atenção são comprovadamente excelentes como estratégias de enfrentamento a problemática das dificuldade de aprendizagem. Ressalta-se que esse tipo de prática é só mais uma dentre tantas outras formas lúdicas e psicomotrizes de se treinar a habilidade de selecionar estímulos relevantes a aprendizagem e a performance, a partir do desenvolvimento da capacidade do indivíduo de se concentrar, de ampliar seu potencial de "atenção concentrada", brincando e se divertindo enquanto pratica atividade física.

 

    Fica a sugestão para futuros estudos similares a esse. Talvez, com um instrumento de pesquisa "gold standard" e um número maior e mais diverso de indivíduos e grupos etários, esse pressuposto teórico possa obter outras confirmações de sua eficácia como estratégia indireta de incremento da aprendizagem.

 

Referências

 

    Arêas Neto, N. T., Araújo, D. C., Azevedo, G. G., Morales, A. P., Calomeni, M. R. (2009). Efeitos da estimulação cortical sobre variáveis psicomotrizes bioperacionais em criança hiperativa (TDAH). In: III Congresso Internacional do Conhecimento Científico, Perspectivas online (Suplemento).

 

    Barkley, R. A. (2002). Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH). 1. Porto Alegre: Ed. Artmed.

 

    Brasil. Conselho Nacional de Saúde (2013). Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Diário Oficial da União, 2013.

 

    Calomeni, M. R., Arêas Neto, N. T., Bianchi, C. E., da Silva, V. F. (2008). Potencialização cerebral: Efeitos nas variáveis bioperacionais; memória de trabalho, atenção concentrada e tempo de reação em criança com diagnóstico de hiperatividade. The FIEP Bulletin, v. 3, p. 56-59.

 

    Campos, M. A., Neto, BC. (2004). Treinamento funcional resistido: para melhoria da capacidade funcional e reabilitação de lesões musculoesqueléticas. Rio de Janeiro: Revinter.

 

    Capellini, V.L.M.F., Silva, L.F., Marques, A.F., Zanata, E.M., Feres, G.G. (orgs.) (2015). Ensino e aprendizagem na educação básica: desafios curriculares. Bauru: FC/UNESP.

 

    Cássaro, E. R. (2011) Atividades de Aventura: aproximações preliminares na rede municipal de ensino de Maringá. Londrina.

 

    Cecilio-Fernandes, D., Rueda, F.J.M. (2007). Evidência de validade concorrente para o Teste de Atenção Concentrada (TEACO-FF). Revista da Vetor Editora. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psic/v8n2/v8n2a07.pdf

 

    Franco de Lima, R. (2006). Dificuldades de aprendizagem: queixas escolares e diagnósticos em um Serviço de Neurologia Infantil. Revista neurociências. V.14 n4 – out/dez.http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2006/RN%2014%2004/Pages%20from%20RN%2014%2004-3.pdf

 

    Freitas Ribeiro, A. P. (2006). A eficiência da especificidade do treinamento funcional resistido. Monografia. São Paulo.

 

    Gertsenchtein, L. I. P. S. (2011). Correlação entre ansiedade e o desempenho em atenção concentrada: um estudo psicofisiológico. Dissertação. São Bernardo do Campo.http://tede.metodista.br/jspui/bitstream/tede/1301/1/LETICIA%20I_P_S%20GERTSENCHTEIN.pdf

 

    Harris, D. V., Harris, BL. (1984). The athlete's guide to sport psychology: skills mental for physical peoples. New York. Leisure press.

 

    Ladewig, I. (2000). A importância da atenção na aprendizagem de habilidades motoras. Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, supl.3, p.62-71. https://www.revistas.usp.br/rpef/article/view/139614/134914

 

    Leão Braga, J. (2007). Atenção Concentrada e Atenção Difusa: Elaboração de Instrumentos de Medida. Dissertação. Brasília. http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/3485/1/2007_JulianaLeaoBraga.PDF

 

    Leão Brasil, L. D. (1984). A falta de atenção seletiva, como uma causa de distúrbio de aprendizagem e alternativas de prevenção: uma revisão bibliográfica. Dissertação. Campinas.http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/250733/1/Brasil_LedaDuweLeao_M.pdf

 

    Lent, R. (2001). Cem bilhões de neurônios: conceitos fundamentais de neurociência. São Paulo: Editora Atheneu.

 

    Muchale, S.M. (2007). Cognição e equilíbrio postural na doença de Alzheimer. Dissertação. São Paulo. http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5160/tde-01062007-103434/en.php

 

    Pereira, D. W. (2013). Slackline: Vivências acadêmicas na educação física. Motrivivência Ano XXV, Nº 41, P. 223-233 Dez. https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/2175-8042.2013v25n41p223/25817

 

    Poli, J. J. C., Da Silva, A. O., Pereira, D. W. (2012). Slackline: uma nova opção nas aulas de Educação Física. Lecturas: Educación Física y Deportes – Revista Digital. Buenos Aires. Ano 17, n. 174, nov. http://www.efdeportes.com/efd174/slackline-nas-aulas-de-educacao-fisica.htm

 

    R: A Language and Environment for Statistical Computing R. (2018). R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. Disponível em: http://www.R-project.org. Acesso em: 10 de setembro de 2018.

 

    Richards, J. E. (2005). Localizing Cortical Sources of Event-Related Potentials in Infantes’Covert Orienting. Developmental Science, 8, 3, 255, 278. https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1467-7687.2005.00414.x

 

    Serra, H., Leal, M. A. F. (2007). Distúrbio Hiperactivo com Défice de Atenção e problemas de Aprendizagem. Dissertação. https://repositorio.ucp.pt/bitstream/10400.14/3960/1/art-nac-arb_2007_FEP_325307009_Leal_Maria_01.pdf

 

    Tanaka, P. J. (2007). Atenção: reflexão sobre tipologias, desenvolvimento e seus estados patológicos sob o olhar psicopedagógico. Instituto Sedes Sapientiae, São Paulo. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/cp/v16n13/v16n13a04.pdf

 

    Thomas, J., Nelson, J.K., Silverman, S. J. (2012) Métodos de Pesquisa em Atividade Física. 6. ed. Porto Alegre. Artmed. 478p.

 

    Vygotski, L. S. (1998). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes.

 

    Vasconcelos, C., Praia, J.F., Almeida, L.S. (2003). Teorias de aprendizagem e o ensino/aprendizagem das ciências: da instrução à aprendizagem. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572003000100002


Lecturas: Educación Física y Deportes, Vol. 23, Núm. 249, Feb. (2019)

Utilizamos cookies para ofrecer la mejor experiencia, navegando en esta web aceptas su uso. OK