Volver a los detalles del artículo La capoeira como contenido en las clases de Educación Física

A capoeira como conteúdo nas aulas de Educação Física: 

um estudo da prática pedagógica de professores de escolas públicas

The capoeira as a content in the lessons of Physical Education:

a study of the pedagogical practice of public school teachers

La capoeira como contenido en las clases de Educación Física:

un estudio de la práctica pedagógica de profesores de escuelas públicas

 

Luciano Uchôa Nunes Filho*

uchoaluciano97@gmail.com

Jonathas Pinheiro Amorim Moura*

jonathaspinheiroamorim_moura@hotmail.com

Dionísio Leonel Alencar**

dionisioalencar@bol.com.br

 

*Graduado em Educação Física

**Graduado em Educação Física

Especialista em Treinamento Desportivo

Especialista em Desporto Escolar

Mestre em Educação e Gestão Desportiva

Doutorando em Ciências do Desporto

(Brasil)

 

Artigo apresentado para obtenção dos créditos da disciplina Trabalho de Conclusão do Curso, como parte das exigências para 

Graduação no curso de Educação Física do Centro Universitário Estácio do Ceará. Orientador: Prof. Ms. Dionísio Leonel de Alencar

 

Recepção: 18/03/019 - Aceitação: 12/09/2019

1ª Revisão: 21/08/2019 - 2ª Revisão: 10/09/2019

 

Este trabalho está sob uma licença Creative Commons

Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional (CC BY-NC-ND 4.0)

https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/deed.pt

 

Resumo

    O presente estudo teve como objetivo identificar a utilização da capoeira como conteúdo nas aulas de Educação Física em escolas públicas de ensino fundamental de Fortaleza-CE. Justifica-se a realização desta investigação, considerando que a mesma possa colaborar para uma melhor compreensão da realidade de como é tratada a capoeira como conteúdo nas aulas de Educação Física, bem como motivar sua prática na escola. No referencial teórico evidenciam-se assuntos relacionados sobre o tema, tais como: o histórico da capoeira, a capoeira na escola e os aspectos pedagógicos da capoeira. Trata-se de um estudo de campo, de natureza quantitativa, descritiva e transversal. A coleta de dados foi realizada através de uma pesquisa de campo. O instrumento de pesquisa utilizado foi um questionário com 5 perguntas abertas e 3 perguntas fechadas. Como fontes primárias foram entrevistados 30 professores de Educação Física escolar. As fontes secundárias foram obtidas por meio de pesquisa de campo, para construção da base teórica e da consulta a fontes documentais visando o desenvolvimento de informações sobre o objeto e ambiente da pesquisa. Com a finalização desse estudo é possível apontar alguns indicadores sobre a importância e as dificuldades encontradas da dinamização da capoeira na escola, visto que é um conteúdo ainda pouco explorado nesse ambiente.

    Unitermos: Capoeira. Conteúdo. Educação Física escolar.

 

Abstract

    The present study aimed to identify the use of capoeira as content in Physical Education classes in public elementary schools in Fortaleza-CE. It is justified to carry out this research, considering that it can contribute to a better understanding of the reality of how Capoeira is treated as content in Physical Education classes, as well as to motivate its practice in school. In the theoretical referential are evidenced related subjects on the subject, such as: the history of Capoeira; Capoeira in school; and the pedagogical aspects of Capoeira. This is a field study, of a quantitative, descriptive and cross-sectional nature. Data collection was performed through field’s research. The research instrument used was a questionnaire with 5 open questions and 3 closed questions. As primary sources, 30 Physical Education teachers were interviewed. Secondary sources were obtained through field research, to build the theoretical base and to consult documentary sources for the development of information about the object and the research environment. With the conclusion of this study it is possible to point out some indicators about the importance and difficulties encountered in the dynamization of Capoeira in school, since it is a content still little explored in this environment.

    Keywords: Capoeira. Content. School Physical Education.

 

Resumen

    El presente estudio tuvo como objetivo identificar el uso de la capoeira como contenido en las clases de Educación Física en las escuelas primarias públicas de Fortaleza-CE. Esta investigación está justificada, considerando que puede contribuir a una mejor comprensión de la realidad de cómo tratar la capoeira como contenido en las clases de Educación Física, así como a motivar su práctica en la escuela. El marco teórico muestra temas relacionados sobre el tema, tales como: la historia de la capoeira, la capoeira en la escuela y los aspectos pedagógicos de la capoeira. Se trata de un estudio de campo, cuantitativo, descriptivo y transversal. La recolección de datos se realizó a través de una investigación de campo. El instrumento de investigación utilizado fue un cuestionario con 5 preguntas abiertas y 3 preguntas cerradas. Como fuentes primarias se entrevistó a 30 docentes de Educación Física escolar. Se obtuvieron fuentes secundarias a través de la investigación de campo, para construir la base teórica y consultar fuentes documentales para desarrollar información sobre el objeto y el entorno de la investigación. Con la conclusión de este estudio es posible señalar algunos indicadores sobre la importancia y las dificultades encontradas con la promoción de la capoeira en la escuela, ya que es un contenido aún poco explorado en este entorno.

    Palabras clave: Capoeira. Contenido. Educación Física escolar.

 

Lecturas: Educación Física y Deportes, Vol. 24, Núm. 257, Oct. (2019)


 

Introdução

 

    A capoeira, por muitas pessoas classificada como arte e luta, tem origem na época da escravidão no Brasil. Com a chegada dos negros africanos em nosso país para serem utilizados como mão de obra nos engenhos de açúcar e nas fazendas de café a cultura popular da dança africana aos poucos teve a luta incorporada em sua prática.

 

    De acordo com Soares (1992) a capoeira encerra em seus movimentos a luta de emancipação do negro no Brasil escravocrata. Em seu conjunto de gestos, a capoeira expressa, de forma explícita, a "voz" do oprimido na sua relação com o opressor.

 

    A capoeira traz em sua essência uma grande riqueza cultural e diversos benefícios sociais e físicos. Nesse contexto, Campos (2013) afirma que a capoeira pode se tornar um instrumento pedagógico, desde que enfatizadas suas características educacionais inerentes ao esporte em geral. Logo, acredita-se que o forte potencial lúdico, a musicalidade, a liberdade de expressão, a riqueza cultural e a facilidade de aplicação em diversos ambientes dão a capoeira grandes vantagens para que seja utilizada em aulas de Educação Física.

 

Capoeira: história

 

    A inclusão dos golpes de lutas nas danças realizadas pelos escravos de origem africana se deu por necessidade de defesa contra a violência dos senhores de engenho. Segundo Ribeiro, Junior e Sedorko (2016), com o passar do tempo os escravizados foram percebendo a necessidade de elaborar maneiras de se proteger e contestar as repressões sofridas, pois eram constantemente alvos de práticas violentas. Essa arte foi se disseminando em meio aos escravos, que a praticavam a noite quando eram liberados dos seus afazeres. O ritmo dos tambores e do berimbau disfarçavam o desenvolvimento da capoeira e do capoeirista em meio aos tradicionais batuques africanos. Sete (2005, p.19 apud Campos, 2013) mencionam que “é incerta a história da origem da capoeira e alguns mestres acreditam que foi uma criação dos africanos no Brasil”.

 

    O grande desejo de liberdade dos escravos e seus conhecimentos obtidos ao observarem a natureza lhes deram inspiração para criarem golpes e movimentos como, rabo-de-arraia, bananeira, morcego, bote da cobra. Movidos pelo instinto natural de preservação da vida, os escravos brasileiros descobriram em si mesmos a sua arma, a arte de bater com o corpo, à semelhança das brigas dos animais, suas marradas, coices, saltos e botes. (Areias, 1938 apud Fontoura; Guimarães 2002)

 

    A capoeira era vista pelas autoridades da época como uma prática para desocupados que trazia prejuízo a sociedade, nesse sentido foi proibida a sua prática sob pena de reclusão de dois a seis meses pelo artigo 402 do Decreto de nº 847, de 11 de outubro de 1890 do Código Penal da República dos Estados Unidos do Brazil que menciona: "Fazer nas ruas e praças públicas exercício de agilidade e destreza corporal conhecida pela denominação capoeiragem; andar em carreiras, com armas ou instrumentos capazes de produzir lesão corporal, provocando tumulto ou desordens, ameaçando pessoa certa ou incerta, ou incutindo temor de algum mal". (Brasil, 1890)

 

    Com o passar dos tempos e a libertação dos escravos no ano de 1888 decretado pela Lei Áurea que traz em seu artigo 1º “É declarada extinta desde a data desta Lei a escravidão no Brasil”. Os ex-escravos passaram a povoar as periferias e cortiços das cidades próximas às fazendas as quais pertenciam, nesses locais a capoeira tornou-se pública e evidente a todos. (Brasil, 1888)

 

    Na contemporaneidade, a capoeira mostra-se em constante evolução nos aspectos técnicos e legais, pois hoje é reconhecida pelo Ministério do Esporte como pratica esportiva de caráter educacional e formativo pelo Projeto de Lei de nº 1.966-A, de 2015. Art. 1, e em 2014 a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) declarou a roda de capoeira como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. A escolha foi feita durante a 9ª Sessão do Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda do Patrimônio Imaterial, em Paris. (Brasil, 2015).

 

A capoeira sobre o ponto de vista pedagógico

 

    Os Parâmetros Curriculares Nacionais - PCNs preconizam que a meta da construção do conhecimento é respeitar o universo cultural dos alunos, explorando a gama múltipla de possibilidades educativas de sua atividade lúdica e, gradativamente, propor tarefas cada vez mais complexas e desafiadoras com vista à construção do conhecimento. (Brasil, 1998)

 

    A capoeira,que consiste em um misto de luta, dança, música e jogo mostra-se um excelente objeto de ludicidade, pois ela pode ser um recurso didático completo, visto que ela traz consigo autonomia, criatividade, musicalidade, domínio corporal, defesa pessoal, grande possibilidade de socialização. Nessa perspectiva, Nunes e Peixoto (2009) citam que no jogo da capoeira o aluno mostra todo seu potencial, trabalhando inúmeras qualidades físicas como: resistência aeróbica e muscular, flexibilidade, velocidades de reação e de deslocamento, forças dinâmica, estática e explosiva, agilidade, equilíbrio, coordenação, ritmo e descontração.

 

    Os PCNs de 1998 que trata do 3º e 4º ciclos do ensino fundamental aponta em diversos momentos a capoeira como objetivo ou conteúdo de aula de Educação Física e a indica como objeto de estudo de cultura, esporte, luta, respeito às regras, socialização, folclore, além de relacioná-la com outros conteúdos como a ginástica tendo fundamentos em comum, bem como o conhecimento sobre o corpo. (Brasil, 1998)

 

    Esse mesmo documento refere-se à capoeira como método de construção do gesto de luta, ao lado de outras artes marciais. (Brasil, 1998). A utilização da capoeira como instrumento pedagógico nas aulas de Educação Física apresenta diversas vantagens pela própria facilidade de sua prática. Soares e Júlio (2011) apontam a capoeira como um tema fácil de ser trabalhado na escola, pois não requer materiais de grandes custos, não se faz necessário um espaço físico apropriado e nem indumentária sofisticada. Isso possibilita sua utilização mesmo em colégios de poucos recursos.

 

A capoeira na escola

 

    A Lei de nº 11.645 de 2008 que altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB estabelece que nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, torna-se obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena. (Brasil, 2008). Nesse propósito, a capoeira mostra-se como um conteúdo relevante de ser implementado, principalmente quando trabalhado nos temas transversais.

 

    A musicalidade vivenciada pelo praticante de capoeira também é um ponto positivo que pode ser abordado pelo professor de Educação Física tendo em vista que, principalmente nas séries iniciais, deve ser enfatizado o desenvolvimento do ritmo, coordenação motora e noção espacial. De acordo com Farina (2011) a capoeira desenvolve também a inteligência musical, ou seja, a habilidade de produzir, compreender e contemplar ritmos musicais, pois pode ser trabalhada com uma variedade de instrumentos. A experiência com os sons produzidos pelos instrumentos utilizados, berimbaus, pandeiros, reco-reco, agogô e atabaque provoca sensações que se difere das sensações obtidas na escrita, leitura, escuta dos professores ou colegas.

 

    O autor supracitado relata ainda que, para que os instrumentos sejam tocados é necessário desenvolver habilidades corporais, através de exercícios dos movimentos e contato físico com os instrumentos. É necessário também desenvolver habilidades auditivas, para que se percebam os diferentes ritmos, a interação e a coordenação com as palmas e com os cantos. (Farina, 2011)

 

    Diversos movimentos corporais criados pelos capoeiristas foram incorporados em outras modalidades, como é o caso de algumas variações de chutes, e também elementos acrobáticos como os saltos mortais conhecidos como floreios, a folha seca, o pião de cabeça, o pião de mão, o aú e suas variações. Abreu e Castro (2009 apud Pasqua, 2011) afirmam que o pião de cabeça foi introduzido no break dance por alunos do Mestre Jelon que praticavam capoeira e break dance. Elementos como esses trouxeram à arte da capoeira um aspecto ainda mais atrativo que despertam interesse em quem observa e também podem ser utilizados como iniciação a outros conteúdos das aulas de educação física como na ginástica e na dança.

 

    A prática da capoeira no âmbito escolar nos traz uma gama de possibilidades que podem e devem ser aproveitadas pelo profissional de Educação Física, uma vez que a capoeira, além de ser uma prática motivadora permite que sejam dinamizadas em uma só aula diferentes habilidades motoras e capacidades físicas.

 

    Campos (2013) reforça que a capoeira assume um papel importante no âmbito escolar, uma vez que ela proporciona aos educandos a capacidade de desenvolver habilidades motoras fundamentais e especializadas de maneira integral.

 

    O presente estudo teve como objetivo identificar a utilização da capoeira como conteúdo nas aulas de Educação Física em escolas públicas de ensino fundamental de Fortaleza-CE.

 

    Justifica-se a realização desta investigação, considerando que a mesma possa colaborar para uma melhor compreensão da realidade de como é tratada a capoeira como conteúdo nas aulas de Educação Física, bem como motivar sua prática na escola.

 

Metodologia

 

    Trata-se de um estudo de campo, de natureza quantitativa, descritiva e transversal.

 

    A população deste estudo compreende os professores de Educação Física das escolas municipais do ensino fundamental de Fortaleza-CE. A amostra foi composta por 30 professores de 20 Escolas.

 

    A pesquisa foi desenvolvida nas escolas: E.E.F.M. Professor Jacinto Botelho, Escola Ismael Pordeus E.F, E.E.F.M. Dra. Aldaci Barbosa, E.E.F.M. Estado do Maranhão, E.M. João Estanislau Façanha, E.M. Casemiro Montenegro, E.M.E.I.F. Raimundo Soares de Sousa, E.E.F.M. Hermenegildo Firmeza, E.M.E.I.F. Manuel de Lima Soares, E.M.E.I.F. Frei Lauro Schwarte, E.M. Antônio Diogo de Siqueira, E.M.E.I.F. Claudio Martins, C.I.E.S. Maria Zélia Correa de Souza, C.M.E.S. Prof. Luiz Recamonde Capelo, E.M Odinilra Cruz Moreira, E.M. Irmã Simas, C.M.E.S. Maria de Lurdes Ribeiro Jereissati, E.M. Angélica Gurgel, E.M. Demócrito Rocha, C.E.I. Professor Osmírio de Oliveira Barreto, no período de 24 de setembro a 8 de outubro de 2018. As escolas foram selecionadas de forma aleatória

 

    No estudo foram incluídos 30 professores, presentes no local e período determinado para a pesquisa e que aceitaram participar do estudo e assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido - T.C.L.E.

 


 

Termos de Consentimento Livre e Esclarecido

 

    Nós, X e Y, estamos desenvolvendo uma pesquisa que tem como título, “A CAPOEIRA COMO CONTEÚDO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA”, meu orientador é Z, e viemos, na oportunidade, solicitar sua participação voluntária neste estudo, respondendo a um questionário contendo perguntas sobre o assunto em questão.

 

    Com vistas a esclarecer as finalidades e procedimentos adotados durante o estudo, solicitamos a leitura cuidadosa de cada item:

  1. As informações coletadas no questionário somente serão utilizadas para a construção desta pesquisa;

  2. Todas as informações serão sigilosas e o anonimato do participante desta pesquisa será preservado;

  3. As informações coletadas durante o estudo serão arquivadas em fichas de anotações sob a tutela do pesquisador responsável;

  4. Em nenhum momento, o participante desta pesquisa terá algum tipo de ônus financeiro;

  5. O participante tem liberdade de desistir a qualquer momento de participar da pesquisa.

    Em caso de maiores esclarecimentos, entre, por gentileza, em contato diretamente com os pesquisadores:

 

Nome: X

 

Dados do Entrevistado:

 

Nome______________________________________________________________

 

Endereço:__________________________________________________________

 

Telefones para contato: _______________ E-mail__________________________

 

CONSENTIMENTO PÓS-ESCLARECIMENTO

 

    Declaro que, após convenientemente esclarecido pelo pesquisador e ter entendido o que me foi explicado, concordo em participar da pesquisa que tem como título,“A CAPOEIRA COMO CONTEÚDO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA”

 

Lugar, ____ de ___________de 201_

 

_________________________________________________________

 

Assinatura do(a) entrevistado(a):_______________________________

 

Nome do entrevistador: _______________________________________

 


 

    Foram excluídos professores que não se enquadraram no perfil proposto, bem como os que não se encontravam nos locais no período da aplicação do questionário ou se negaram assinar o T.C.L.E.

 

    A coleta de dados foi realizada através de uma pesquisa de campo. O instrumento de pesquisa utilizado foi um questionário com 5 perguntas abertas e 3 perguntas fechadas (apêndice B). Como fontes primárias foram entrevistados 30 professores de Educação Física escolar. As fontes secundárias foram obtidas por meio de pesquisa de campo, para construção da base teórica e da consulta a fontes documentais visando o desenvolvimento de informações sobre o objeto e ambiente da pesquisa.

 

    Aos entrevistados foi apresentado o T.C.L.E., de acordo com a resolução vigente, informando sobre o objetivo do estudo, a preservação dos aspectos éticos, a garantia da confidencialidade das informações e anonimato, evitando riscos morais. Os pesquisados ficaram cientes, também, de que a qualquer momento poderiam interromper a pesquisa. Aqueles que aceitaram participar da pesquisa assinaram o referido T.C.L.E.

 

Questionário. A capoeira como conteúdo nas aulas de Educação Física

 


 

Questionário

*Marque apenas uma opção.

  1. Em 26 de novembro de 2014 a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) declarou a roda de capoeira como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. A escolha foi feita durante a 9ª Sessão do Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda do Patrimônio Imaterial, em Paris. Diante do exposto, você concorda que a capoeira, como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade deveria estar presente nos currículos escolares brasileiros?

    () Sim, como componente curricular obrigatório;

    () Sim, somente como conteúdo nas aulas de Educação Física;

    () Sim, somente como conteúdo nas aulas de História;

    () Sim, somente como conteúdo nas aulas de Literatura;

    () Sim, como conteúdo nas aulas de Educação Física, História e Literatura;

    () Concordo que a capoeira deve ser incluída no ambiente escolar somente como atividade extra classe;

    () Outro. Cite-o: __________________________________________________;

    () Não.

  2. Qual a sua principal vivência com o conteúdo “capoeira”?

    () na disciplina “Lutas” na graduação em Educação Física;

    () em um curso de pós-graduação, onde foi enfatizado a capoeira como um dos conteúdos da Educação Física escolar;

    () em um curso de pós-graduação em “lutas ou semelhante”;

    () em um curso de capacitação;

    () sou atleta atuante em capoeira;

    () sou atleta e professor de capoeira;

    () sou ex-atleta de capoeira;

    () sou ex-atleta e professor de capoeira;

    () não tive contato com o conteúdo capoeira.

    () outra(s) vivência(s). Cite-a(s): ______________________________________;

  3. Você aborda os conteúdos de lutas em suas aulas de Educação Física escolar?

    () Sim, somente nas aulas práticas;

    () Sim, somente nas aulas teóricas;

    () Sim, nas aulas prática e teóricas;

    () Não.

  4. Em suas aulas de Educação Física na escola, você aborda o conteúdo capoeira?

    () Sim, somente nas aulas práticas;

    () Sim, somente nas aulas teóricas;

    () Sim, nas aulas prática e teóricas;

    () Não.

  5. Você se sente capaz de ministrar aulas (práticas e/ou teóricas) sobre a temática capoeira?

    () Sim, aulas práticas e aulas teóricas sobre o assunto;

    () Sim, somente aulas práticas sobre o assunto;

    () Sim, somente aulas teóricas sobre o assunto;

    () Não.

  6. Em sua percepção, qual a maior dificuldade encontrada pelo professor em dinamizar a capoeira nas aulas de Educação Física?

    () Falta de conhecimentos técnicos do professor sobre a capoeira;

    () A capoeira não é adequada no ambiente escolar;

    () Por existir um preconceito por parte dos professores no que diz respeito a violência e a marginalização da capoeira;

    () Falta de interesse dos alunos quando o conteúdo capoeira é abordado;

    () Falta de interesse do professor em abordar o conteúdo capoeira;

    () Outra. Cite-a: ___________________________________________________

    __________________________________________________________________.

  7. Em sua opinião, o professor ao dinamizar a capoeira nas aulas práticas de Educação Física deve principalmente:

    () Explorar o elemento luta;

    () Explorar o elemento dança;

    () Utilizar como esporte;

    () Através de jogos;

    () Utilizar os elementos da luta, da dança, dos jogos e do esporte.

    () Outra. Cite-a: ___________________________________________________

    __________________________________________________________________.

  8. Quanto às metodologias utilizadas no processo de ensino-aprendizagem da capoeira, você concorda que as mesmas deveriam ser adaptadas no sentido de proporcionar a inclusão de todos os alunos nas aulas de Educação Física escolar ou essas metodologias deveriam ser as mesmas utilizadas nos treinamentos?

    () Concordo que deveriam ser adaptadas;

    () Discordo, pois devem ser as mesmas utilizadas nos treinamentos;

    () Outra opinião: ____________________________________________________

    Os dados obtidos no questionário foram organizados no Excel For Windows 2016, analisados e representados graficamente. Depois foi feito a discussão dos resultados da pesquisa com base na análise e interpretação dos dados.

 


 

Resultados e discussão

 

Gráfico 1. A capoeira como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade nos currículos escolares brasileiros. Fortaleza-CE. 2018

Fonte: Pesquisa direta

 

    Os resultados do Gráfico 1 apontam que uma parcela significante dos respondentes, representados por 46,7% da mostra pesquisada afirmaram que a capoeira deveria estar presente nos currículos brasileiros como conteúdo nas aulas de Educação Física, História e Literatura.

 

    Verifica-se também que 36,7% dos professores entrevistados concordam que a capoeira deveria estar presente somente no currículo da Educação Física.

 

    Esses dados vão ao encontro da Lei n.10.639 que altera a LDB, quando cita que nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares, torna-se obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira. (Brasil, 2003)

 

    No que diz respeito à Capoeira nos currículos da Educação Física, os PCNs de 1998 Terceiro e Quarto Ciclos do Ensino Fundamental mencionam que a Capoeira foi incluída no bloco de conhecimento “Jogos, Esporte, Lutas e Ginástica” e por isso ela deve estar presente nas aulas de Educação Física. (Brasil, 1998).

 

Gráfico 2. Principal vivência com o conteúdo capoeira. Fortaleza-CE. 2018

Fonte: Pesquisa direta

 

    Observa-se no Gráfico 2 uma variedade de respostas quanto a principal vivência dos entrevistados com o conteúdo capoeira.

 

    Dentre os entrevistados, 40% teve sua principal vivência com a capoeira durante a graduação, nas aulas da disciplina de “lutas”.

 

    Vale destacar que 23,5% dos professores entrevistados afirmaram que não tiveram contato com esse conteúdo.

 

    Esses resultados estão em consonância com a pesquisa realizada por Ehrenberg e Fernandes (2012), intitulada “A Capoeira nas Aulas de Educação Física Escolar: Vivências e Possibilidades no Ensino Fundamental” quando foi constatado que a maioria dos professores de Educação Física não teve nenhuma vivência com esta manifestação durante sua formação inicial.

 

    Esse fato também é citado pelos PCNs de 1998 quando se refere que é surpreendente o fato de a Educação Física, durante muito tempo, desconsiderar produções da cultura popular que pulsam em nosso país como a capoeira, o samba, o bumba-meu-boi, o maracatu, o frevo, o xote, o xaxado, entre muitas outras manifestações como objeto de ensino e aprendizagem.(Brasil, 1998).

 

Gráfico 3. A abordagem do conteúdolutas” em suas aulas de Educação Física. Fortaleza-CE. 2018

Fonte: Pesquisa direta

 

    Os PCNs de 1998 sugerem a utilização do conteúdo lutas nas aulas de Educação Física e o define como: disputas em que o(s) oponente(s) deve(m) ser subjugado(s), com técnicas e estratégias de desequilíbrio, contusão, imobilização ou exclusão de um determinado espaço na combinação de ações de ataque e defesa. Caracterizam-se por uma regulamentação específica a fim de punir atitudes de violência e de deslealdade. Podem ser citados como exemplos de lutas desde as brincadeiras de cabo-de-guerra e braço-de-ferro até as práticas mais complexas da capoeira, do judô e do caratê. (Brasil, 1998).

 

    Ao analisar o Gráfico 3 constata-se que a grande maioria dos professores entrevistados estão de acordo com os preceitos dos PCNs supracitados, uma vez que dentre os 30 entrevistados, 26 asseveram que utilizam o referido conteúdo em suas aulas de Educação Física escolar, sejam em nas aulas práticas e teóricas, ou somente nas aulas prática ou teóricas.

 

Gráfico 4. Abordagem do conteúdo “capoeira” nas aulas de Educação Física. Fortaleza-CE. 2018

Fonte: Pesquisa direta

 

    Diante dos resultados do Gráfico 4 percebe-se que a maioria dos questionados afirmou utilizar a capoeira em suas aulas práticas e teóricas, sendo esses representados por 40% da amostra pesquisada.

 

    Resultados semelhantes podem ser encontrados no trabalho que tem como título “A Capoeira como conteúdo da Educação Física nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental”, de Ribeiro, Silva Junior e Sedorko (2016) onde sua pesquisa revelou que 45% dos entrevistados disseram trabalhar o conteúdo capoeira em suas aulas e que 66,6% dos entrevistados afirmaram utilizar aulas teórico/práticas como forma de expor o tema.

 

    Tais resultados contrapõem-se aos verificados por Ehrenberg e Fernandes (2012, p.5) onde “ficou evidente que a maioria dos professores investigados afirma não trabalharem com o conteúdo capoeira em suas aulas”.

 

Gráfico 5. Capacidade de ministrar aulas (práticas e/ou teóricas) sobre a temática capoeira. Fortaleza-CE. 2018

Fonte: Pesquisa direta

 

    Constata-se nos resultados apresentados no Gráfico 5 que há um expressivo percentual de professores que responderam que são capazes de ministrar aulas sobre a temática capoeira, uma vez que 86,6% da amostra pesquisada respondeu positivamente para esse fato. Vale salientar que dentre esse percentual, 63,3% dos professores responderam que são capazes de ministra somente aulas teóricas sobre o assunto em questão.

 

    Esses resultados podem ser justificados pela insegurança do ser humano em abordar algo novo. Betti (1999) afirma que talvez o receio de mudar ocorra pela insegurança dos professores em relação a conteúdos que não dominam, e desta forma trabalham com o que possuem mais afinidade, ou ainda por acharem que os alunos não gostariam de aprender outros conteúdos.

 

Gráfico 6. A maior dificuldade encontrada pelo professor em dinamizar a capoeira nas aulas de Educação Física. Fortaleza-CE. 2018

Fonte: Pesquisa direta

 

    Baseado nos resultados apresentados no Gráfico 6, percebe-se que a falta de conhecimento técnico por parte dos professores, apontado por 73,3% dos professores pesquisados é a maior dificuldade encontrada pelos professores no que concerne ao ensino da Capoeira nas aulas de Educação Física escolar.

 

    Esses resultados reforçam os achados de Ribeiro, Silva Junior e Sedorko (2016), onde 44% dos respondentes afirmaram não possuir conhecimento prático na área da capoeira.

 

    Observa-se ainda que 6,6% dos professores questionados afirmaram “falta de interesse por parte dos alunos” como uma das dificuldades ao dinamizar o conteúdo “capoeira”, esses dados vão de encontro aos achados pelos autores acima citados, quando na mesma pesquisa chegaram à conclusão de que, 75% dos entrevistados apontaram que os alunos aceitam e participam das aulas de capoeira e 25% ressaltaram que os alunos gostariam que o tema fosse aprofundado. Vale ressaltar que 9,9% dos professores afirmaram falta de interesse em abordar o conteúdo capoeira.

 

Gráfico 7. Principal metodologia ao dinamizar a capoeira nas aulas práticas de Educação Física. Fortaleza-CE. 2018

Fonte: Pesquisa direta

 

    A Base Nacional Comum Curricular (2017) define a Educação Física como o componente curricular que tematiza as práticas corporais, produzidas por diversos grupos sociais no decorrer da história e traz como competências: experimentar, desfrutar, apreciar e criar diferentes brincadeiras, jogos, danças, ginásticas, esportes, lutas e práticas corporais de aventura, valorizando o trabalho coletivo e o protagonismo. A unidade temática Lutas focaliza as disputas corporais, nas quais os participantes empregam técnicas, táticas e estratégias específicas para imobilizar, desequilibrar, atingir ou excluir o oponente de um determinado espaço, combinando ações de ataque e defesa dirigidas ao corpo do adversário. Dessa forma, além das lutas presentes no contexto comunitário e regional, podem ser tratadas lutas brasileiras (capoeira, huka-huka, luta marajoara, etc.). (Brasil, 2017)

 

    Corroborando com o citado acima, os dados do Gráfico 7 apontam que um percentual muito expressivo, representado por 70% dos investigados, utilizam os elementos de Lutas, da Dança, dos Jogos e do Esporte como principal maneira de dinamizar a capoeira durante as aulas. Na mesma perspectiva Ehrenberg e Fernandes (2012) afirmam em sua pesquisa que na visão de metade dos professores questionados, a capoeira é luta, jogo e dança.

 

    Ressalta-se ainda que 9,9% dos entrevistados afirmaram utilizar apenas “jogos” e 6,9% utilizar apenas o elemento “Luta” para esse mesmo fim.

 

Gráfico 8. Utilização de metodologias adaptadas nas aulas de Educação Física escolar como forma de inclusão ou utilização das mesmas metodologias utilizadas nos treinos de capoeira.Fortaleza-CE. 2018

Fonte: Pesquisa direta

 

    De acordo com os PCNs de 1998, a partir da inclusão, pode-se constituir um ambiente de aprendizagem significativa, que faça sentido para o aluno, no qual ele tenha possibilidade de fazer escolhas, trocar informações, estabelecer questões e construir hipóteses na tentativa de respondê-las. (Brasil, 1998)

 

    Os métodos e metodologias de ensino são destinados a efetivar o processo de ensino, podendo ser de forma individual, em grupo, coletiva ou socializada-individualizante. (Brighenti, Biavatti e Souza, 2015)

 

    Nesse mesmo contexto, o Gráfico 8 evidencia que quase a totalidade dos respondentes concordaram que as metodologias utilizadas nas aulas deveriam ser adaptadas no sentido de proporcionar a inclusão de todos os alunos. O gráfico também mostra que nenhum dos entrevistados afirmou que deveriam ser utilizadas metodologias do treino durante as aulas, haja vista que o único com opinião divergente aos demais alegou não conhecer a metodologia citada.

 

    Em consonância com os resultados acima, Orlanda e Santos (2013) afirmam que é necessário que se leve em consideração as diversidades que os professores se deparam no ensino regular, sendo flexível e dinâmico ao elaborar o currículo que atende a todos os alunos, proporcionando um ambiente prazeroso para o desenvolvimento da aprendizagem, e que este seja igualitário para todos.

 

Conclusão

 

    Ao final desse estudo conclui-se que a capoeira deve estar presente nos currículos escolares, podendo ser utilizada como conteúdo nas aulas de história, literatura e principalmente das aulas de Educação Física. O estudo também aponta que a capoeira é dinamizada nas aulas de Educação Física das escolas pesquisadas, apesar da dificuldade na dinamização desse conteúdo por falta de conhecimento técnico por parte dos professores.

 

    Ficou claro também que a maior vivência dos professores com a capoeira foi na disciplina de lutas na graduação do Curso de Educação Física, principalmente quando uma grande parcela afirma que se sentem capaz de abordar o assunto somente nas aulas teóricas.

 

    No que diz respeito à metodologia de ensino, as aulas de capoeira devem ser adaptadas no sentido de proporcionar a inclusão de todos os alunos e os elementos das lutas, das danças, dos jogos e dos esportes devem ser explorados nas aulas práticas.

 

    As informações evidenciadas no presente es­tudo permitem sugerir a continuidade de pesqui­sas que envolva a capoeira como conteúdo das aulas de Educação Física do ensino básico acreditando que observando um maior número de professores, as discussões estabelecidas aqui poderão ser ainda mais aprofundadas.

 

Referências

 

Betti, I. C. R.(1999). Esporte na escola: mas é só isso, professor? Revista Motriz, – Volume 1, Número 1, 25 -31, junho.

 

Brasil. Assembleia Geral (1888). Lei Áurea – 1888. Lei nº 3.353. Declara Extinta a Escravidão no Brasil. Disponível em: http://www.historia.seed.pr.gov.br/arquivos/File/fontes%20historicas/leiaurea.pdf. Acesso em 18 de agosto de 2018.

 

Brasil (1890). Código Penal da República dos Estados Unidos do Brazil. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-847-11-outubro -1890-503086-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em 20 de agosto de 2018.

 

Brasil. Congresso Nacional (2015). Institui o reconhecimento do caráter educacional e formativo da capoeira em suas manifestações culturais e esportivas e permite a celebração de parcerias para o seu ensino nos estabelecimentos de educação básica, públicos e privados. Disponível em: http://www.camara.gov.br/sileg/integras/1589978.pdf. Acesso em 28 de agosto de 2018.

 

Brasil. Congresso Nacional (2003). Lei Nº 11.645. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena", e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 12 de agosto de 2019.

 

Brasil. Ministério da Educação (2017). A Base Nacional Comum Curricular. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/download-da-bncc. Acesso em: 18 de outubro de 2018.

 

Brasil (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Secretaria de Educação Fundamental.Brasília: MEC / SEF. Disponível: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/fisica.pdf. Acesso em: 28 de agosto 2018.

 

Brighent, J., Biavatti, V. T., & Souza, T. R. de (2015). Metodologias de ensino-aprendizagem: uma abordagem sob a percepção dos alunos. Revista GUAL, Florianópolis, v. 8, n. 3, p. 281-304. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/gual/article/view/1983-4535.2015v8n3p28. Acesso em: 28 de agosto 2018.

 

Campos, E. F. G. (2013). A prática da capoeira em âmbito escolar. Universidade de Brasília. Disponível em: http://bdm.unb.br/bitstream/10483/8900/1/2013_EleniFernandesGoncalvesCampos.pdf. Acesso em: 20 de outubro de 2018.

 

Ehrenberg, M. C., & Fernandes, R. de C. (2012). A capoeira nas aulas de educação física escolar: vivências e possibilidades no ensino fundamental. XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino, UNICAMP- Campinas. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/capoeira/handle/REPOSIP/306982477. Acesso em: 25 de outubro de 2018.

 

Farina, S. (2011). Pedagogia da Mandinga: A Capoeira como expressão de liberdade no currículo escolar e no mundo da rua. Revista Didática Sistêmica, vol. 13, n. 2. 2011. Disponível em: https://periodicos.furg.br/redsis/article/view/2342. Acesso em: 14 de outubro de 2018.

 

Fontoura, A. R. R., & Guimarães, A. C. A. (2002). História da capoeira. Revista da Educação Física, UEM Maringá, v. 13, n. 2 p. 141-150, 2. sem. 2002. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/3712/ 2553. Acesso em: 15 de outubro de 2018.

 

Nunes, L., & Peixoto, E. T. (2009). Os benefícios no desenvolvimento motor para praticantes de capoeira. Faculdade de Educação Física de Sorocaba (ACM), Sorocaba. Disponível em: http://www.academia.edu/26059293/ Acesso em: 15 de outubro de 2018.

 

Orlanda, T. M. T., & Santos, J. C. dos. (2013). Metodologias Utilizadas pelos Professores do Ensino Regular para Promover a Aprendizagem dos Alunos com Deficiência. Guarantã. Disponível em: http://revista nativa.com/index.php/revistanativa/article/viewFile/137/pdf. Acesso em: 25 de outubro de 2018.

 

Pasqua, L. de P. M. (2011). O floreio na capoeira. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Educação Física. Campinas. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/275046/1/Pasqua_LiviadePaulaMachado_M.pdf. Acesso em: 12 de outubro de 2018.

 

Ribeiro, A. D., Silva Junior, J., & Sedorko, C. M. (2016). A Capoeira como conteúdo da Educação Física nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. GEPEFE (UEPG/CNPq). Disponível em: https://www.iessa.edu.br/revista/index.php/tcc /article/view/53. Acesso em 10 de setembro de 2018.

 

Soares, C. L. et al. (1992). Metodologia do ensino de Educação Física. São Paulo: Cortez.

 

Soares, E. B., & Júlio, M. das G. (2011). A inserção da capoeira no currículo escolar. Lecturas: Educación Física y Deportes, Revista Digital. Buenos Aires - Año 16 - Nº 156 - Mayo. Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd156/a-insercao-da-capoeira-no-curriculo-escolar.htm. Acessado em: 30 de agosto de 2018.


Lecturas: Educación Física y Deportes, Vol. 24, Núm. 257, Oct. (2019)

Utilizamos cookies para ofrecer la mejor experiencia, navegando en esta web aceptas su uso. OK