Volver a los detalles del artículo Recreación en el sendero de Praia Brava en Caraguatatuba, SP

Lazer na trilha da Praia Brava em Caraguatatuba, SP

Leisure on the trail of Brava Beach in Caraguatatuba, SP

Recreación en el sendero de Praia Brava en Caraguatatuba, SP

 

Paulo Cesar Huttner Borges*

pb8@ig.com.br

Danilo Lutiano Valerio**

danilo.valerio@usp.br

 

*Graduando do Curso de Bacharel em Educação Física

pelo Centro Universitário Módulo - Caraguatatuba/SP

**Professor do Centro Universitário Módulo - Caraguatatuba/SP

Professor da Faculdade São Sebastião - São Sebastião/SP

Doutorando do Programa de Pós Graduação em Educação Física da Faculdade

de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas - FEF UNICAMP

Mestre em Ciências da Atividade Física pela Escola de Artes, Ciências

e Humanidades da Universidade de São Paulo - EACH USP

Bacharel em Educação Física e Saúde pela Escola de Artes, Ciências

e Humanidades da Universidade de São Paulo - EACH USP

(Brasil)

 

Recepção: 13/02/2019 - Aceitação: 15/09/2019

1ª Revisão: 19/07/2019 - 2ª Revisão: 11/09/2019

 

Este trabalho está sob uma licença Creative Commons

Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional (CC BY-NC-ND 4.0)

https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/deed.pt

 

Resumo

    O artigo tem como problemática central apresentar a Trilha para a Praia Brava, localizada na cidade de Caraguatatuba, SP como uma possibilidade de atividade de lazer que tem condições de contribuir para um melhor conhecimento a respeito do bioma Mata Atlântica. A Trilha para a Praia Brava tem potencial para ser utilizada como um instrumento de Política Nacional de Educação Ambiental, contribuindo para a conscientização da necessidade de se cuidar e preservar o meio ambiente. O objetivo do trabalho é analisar a Trilha da Praia Brava como um instrumento de lazer, compreendendo esta atividade a partir dos domínios culturais do Lazer. Apreendendo o Lazer como um veículo de educação, abordar-se-á as oportunidades oferecidas pela trilha para promoção de uma atividade de lazer capaz de contribuir com o desenvolvimento pessoal do caminhante. A Trilha para a Praia Brava se apresenta como uma possibilidade de desenvolvimento pessoal, manifestando o Lazer como um veículo de educação, onde conhecer a Mata Atlântica é essencial para que as pessoas a respeitem, e percorrer a Trilha para a Praia Brava como uma atividade de lazer pode contribuir sobremaneira para este conhecimento, educando as pessoas sobre a importância das questões ambientais.

    Unitermos: Lazer. Domínios do lazer. Processo educativo do lazer. Praia Brava.

 

Abstract

    The article has as its central problem to present the Brava Beach Trail, located in the city of Caraguatatuba, SP as a possibility of leisure activity that can contribute to a better knowledge about the Atlantic Forest biome. The Brava Beach Trail has the potential to be used as an instrument of the National Environmental Education Policy, contributing to the awareness of the need to take care and preserve the environment. The aim of this paper is to analyze the Brava Beach Trail as a leisure instrument, understanding this activity from the leisure cultural domains. Understanding of Leisure as a vehicle of education, it will address the opportunities offered by the trail to promote a leisure activity capable of contributing to the personal development of the walker. The Brava Beach Trail presents itself as a possibility for personal development, manifesting Leisure as a vehicle of education, where knowing the Atlantic Forest is essential for people to respect it, and walking the Brava Beach Trail as an activity of Leisure can greatly contribute to this knowledge by educating people about the importance of environmental issues.

    Keywords: Leisure. Leisure domains. Leisure educational process. Praia Brava.

 

Resumen

    El artículo tiene como principal problemática presentar el sendero de Praia Brava, ubicada en la ciudad de Caraguatatuba, SP, como una posibilidad de actividad de ocio que puede contribuir a un mejor conocimiento sobre el bioma del Bosque Atlántico. El sendero de Praia Brava tiene el potencial de que puede ser utilizado como un instrumento de la Política Nacional de Educación Ambiental, contribuyendo a la conciencia de la necesidad de cuidar y preservar el medio ambiente. El objetivo de este artículo es analizar el Sendero de Praia Brava como recreación, entendiendo esta actividad desde los dominios culturales de la recreación. Entendiendo la Recreación como un vehículo de educación, se abordan las oportunidades que ofrece el sendero para promover una actividad de ocio capaz de contribuir al desarrollo personal del caminante. El Sendero de Praia Brava se presenta como una posibilidad de desarrollo personal, manifestando la recreación como un vehículo de educación, donde conocer el Bosque Atlántico es esencial para que la gente lo respete, y caminar por el Sendero de Praia Brava como una actividad recreativa que puede contribuir en gran medida a este conocimiento al educar a las personas sobre la importancia de los problemas ambientales.

    Palabras clave: Recreación. Dominios de la recreación. Proceso educativo de la recreación. Praia Brava.

 

Lecturas: Educación Física y Deportes, Vol. 24, Núm. 256, Sep. (2019)


 

Introdução

 

    A Revista Brasileira de Estudos do Lazer publicou em seu volume 1, número 3 de set/dez de 2014 o ‘Dossiê Lazer e Meio Ambiente’, nesta edição foi publicado diversas pesquisas que tem como tema central de investigação a relação entre o campo do lazer e os aspectos ambientais.

 

    Encetando este item tomar-se-á como base teórica dois trabalhos que foram publicados na revista citada acima, o dossiê de Simone Rechia e Iverson Ladewig (2014) intitulado “Espaços de Lazer, Meio Ambiente e Infância: relação entre sustentabilidade social e ambiental para o desenvolvimento integral do cidadão urbano”, que tem como principal objetivo relacionar lazer, meio ambiente e a cultura lúdica infantil, e o artigo de Gomes et al. (2014) “Lazer, Sustentabilidade e Meio Ambiente na América Latina: problematizações e desafios”, que traz como temática central de discussão alguns apontamentos sobre como o lazer pode ser entendido como um instrumento que pode contribuir com as questões de preservação ambiental, compreendendo “as possíveis interfaces existentes entre lazer e sustentabilidade” (Gomes et al., 2014, p. 85).

 

    Ao expor estes dois trabalhos nota-se que a literatura vem discutindo e problematizando a relação entre o campo do lazer e o meio ambiente, temática esta que se configura como:

    (...) importante para o campo dos estudos do lazer, uma vez que requer aprofundamentos teóricos e análises empíricas comprometidas com uma mudança de atitudes e de ações no sentido de valorizar o lazer, o meio ambiente, a natureza, a cultura local e as experiências vividas nesse contexto (Gomes et al., 2014, p. 85).

    Diante das questões aclaradas é elucidado que o objeto central de investigação do trabalho é a Trilha para a Praia Brava, localizada na cidade de Caraguatatuba/SP (município do litoral norte do Estado de São Paulo). Apresenta-se Caraguatatuba como um município litorâneo que é banhado pelas águas do oceano atlântico, e que está cercado pela Mata Atlântica. As florestas deste bioma regulam o fluxo dos mananciais hídricos, asseguram a fertilidade do solo, controlam o clima, protegem escarpas e encostas das serras, além de preservarem um patrimônio histórico e cultural. (São Paulo, 2006)

 

    Hoje diversas atividades de lazer que ocorriam ao ar livre e no meio ambiente vêm diminuindo. Rechia e Ladewig (2014) explicam que a acelerada urbanização, acompanhada de um incremento sem precedentes da tecnologia nos últimos anos, vem afastando cada vez mais as pessoas do convívio com ambientes naturais (Rechia; Ladewig, 2014). Os autores apontam que a falta de contato das crianças com a natureza faz com que os aparatos tecnológicos substituam as velhas brincadeiras de subir em árvores, caminhar em trilhas, observar animais livres, acompanhar o brotar de uma planta, privando assim de um convívio com a natureza. (Rechia; Ladewig, 2014)

 

    Neste sentido Rechia e Ladewig (2014) evidenciam a importância das brincadeiras na natureza durante a infância, apreendendo que estas atividades apresentam um caráter lúdico, que será um aspecto importante na preservação ambiental:

    Salientamos que essa variedade de experiências e a interação com o meio nessas fases da vida, podem gerar uma ampliação da cultura lúdica na infância. Brougère (1998), nos diz que a dimensão lúdica de uma atividade que está exatamente no “como” se está brincando. Um brinquedo ou um parque infantil, não é um objeto lúdico simplesmente por suas formas ou cores, mas será lúdico a partir do momento que alguma criança utilizá-lo amplamente em suas brincadeiras (...) Apostar em equipamentos infantis na natureza, seria possibilitar uma série de experiências no âmbito do brincar, que acumuladas, podem ficar registradas na memória afetiva das crianças, fazendo-as valorizar e preservar ambientes naturais (Rechia; Ladewig, 2014, p. 74).

    Destarte os parágrafos iniciais deste item introdutório, evidencia-se que o objetivo do trabalho é analisar a Trilha da Praia Brava (trilha natural localizada no município de Caraguatatuba, /SP) como um instrumento de lazer, compreendendo esta atividade a partir dos domínios culturais do Lazer.Inicialmente será exposto um breve panorama ambiental, social e econômico de Caraguatatuba/SP, apontando a Trilha para a Praia Brava como uma oportunidade de lazer, em seguida abordar-se-á a caminhada por esta trilha como uma manifestação cultural do Lazer. (Marcellino, 2006)

 

Método

 

    O estudo tem como abordagem metodológica um caráter observacional e analítico.De acordo com as concepções de Bastos e Duquia (2007, p. 229) nas pesquisas observacionais “o pesquisador não intervém, apenas observa e registra as informações que lhe interessam para posterior análise”.Já o estudo analítico segundo os conceitos teóricos de Guerra (2006, p. 25) tem por característica “um exame contínuo e aprofundado do material recolhido, para depois construir os conceitos e as proposições teóricas que se articularão numa teoria à medida que se forem saturando os casos em análise”.

 

    A partir desta caracterização metodológica evidencia-se que o método de pesquisa empregado foi o de revisão de literatura, quede acordo com a leitura de Thomas et al. (2012) este método tem como objetivo avaliar de maneira crítica estudos, para posteriormente trazer percepções e entendimentos sobre a temática investigada.

 

    Por conseguinte, a busca por estudos ocorreu nas bases de dados Scielo e Google Acadêmico, empregando nos descritores de busca os seguintes termos para a pesquisa:

  • Lazer;

  • Domínios Culturais do Lazer;

  • Interesses Culturais do Lazer;

  • Lazer e o seu Processo Educativo;

  • Valores Culturais do Lazer;

  • Caraguatatuba;

  • Praia Brava/SP;

  • Lazer na Natureza;

  • Lazer e Meio-ambiente;

  • Trilhas na Natureza;

  • Trilha para a Praia Brava/SP;

  • Atividade Física na Natureza.

Panorama ambiental, econômico e social de Caraguatatuba (SP)

 

    Caraguatatuba é a caçula dos municípios do litoral norte paulista, fundada em 20 de abril de 1857. Noventa anos mais tarde, em 1947, se tornou a primeira estância a ser decretada em todo o litoral de São Paulo, nascendo assim a Estância Balneária de Caraguatatuba (Raimundo et al., 2010).

 

    Caraguatatuba ambientalmente é uma cidade extremamente privilegiada por ser banhada pelas águas do oceano atlântico e estar cercada pela Mata Atlântica. Os rios que abastecem a cidade nascem na Serra do Mar e no meio da Mata Atlântica, local de “belíssimas paisagens, verdadeiros paraísos tropicais, cuja proteção é essencial para a alma brasileira, para nossa cultura e para o desenvolvimento econômico, por meio do turismo e do ecoturismo”. (São Paulo, 2006, p.03)

 

Figura 1. Mapa da cidade de Caraguatatuba

 

    De cidade mais nova e primeira estância balneária no século XX, o município ocupa hoje protagonismo no desenvolvimento da região, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2017), Caraguatatuba apresenta a maior densidade demográfica do litoral norte de São Paulo, com 207,8 habitantes por quilômetro quadrado (hab/Km²). O governo do Estado de São Paulo criou em 2012, a Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte (RMVPLN), elegendo Caraguatatuba como o núcleo central da sub-região cinco, composta também pelas cidades de Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba. A RMVPLN pretende organizar a emergente urbanização e metropolização de toda região. (São Paulo, 2012)

 

    Atualmente o desafio de Caraguatatuba é manter sua vocação de estância balneária e ser o centro de uma região que oficialmente caminha para uma metropolização (Marandola et al., 2013). Marandola et al. (2013) elucidam que apesar da cidade caminhar mais em direção à industrialização e menos no sentido de se manter como estância balneária, ainda é o turismo o maior fomentador da economia local, destacando que a urbanização desorganizada e com deficiências na fiscalização pode causar danos irreversíveis ao meio ambiente.

 

    Neste contexto a Trilha para a Praia Brava representa uma oportunidade ímpar para que as pessoas conheçam de perto os ambientes naturais de Caraguatatuba, mais especificamente a Mata Atlântica que contempla o município. No âmbito internacional o bioma Mata Atlântica está entre os dez hotspots prioritários para conservação, sobretudo pela riquíssima biodiversidade, existência de muitas espécies endêmicas e estar sob ameaça, devido ao crescente desmatamento (Myers et al., 2000). Em 2009 a UNESCO reconheceu a Reserva da Biosfera da Mata Atlântica (RBMA), que contém todo o Parque Estadual da Serra do Mar, objetivando conservar porções significativas deste bioma e restaurar áreas degradadas. (RBMA, 2018)

 

    A Constituição Federal de 1988 considera a Mata Atlântica, a Serra do Mar e a Zona Costeira alguns de seus Patrimônios Nacionais (Brasil, 1988). O bioma Mata Atlântica é o único a possuir uma lei específica, a ‘Lei da Mata Atlântica’ (Brasil, 2006), a qual regulamenta a utilização de seus recursos, estimula a realização de pesquisas científicas, e, sobretudo pretende contribuir para a formação de uma consciência pública sobre a necessidade de recuperação e manutenção dos seus ecossistemas.

 

    Apesar de ser hotspot mundial a Reserva da Biosfera passou a ser patrimônio nacional e único bioma com lei própria, e mesmo assim ainda existe um grande desconhecimento sobre a relevância social, econômica e ecológica da Mata Atlântica, o que pode representar um sério risco para o meio ambiente.

 

Figura 2. Praia Brava

 

    Diante deste panorama ambiental elucidado sobre a cidade de Caraguatatuba, é possível compreender que a cidade apresenta um vasto potencial para que as pessoas interajam com o meio ambiente, praticando assim atividades de lazer na natureza. À vista disso, Rechia e Ladewig (2014) aclaram a ideia de que as cidades precisam oferecer espaços de lazer na natureza para que experiências lúdicas sejam potencializadas e vivenciadas em ambientes diversos, promovendo estímulos para o desenvolvimento pessoal e social das pessoas, ofertando espaços de lazer diferentes dos espaços que compreendem os ambientes urbanos.

 

    Kunzler et al. (2014) investigaram características de praticantes de caminhada em espaços públicos de lazer em parques. O trabalho atestou os muitos benefícios em se praticar caminhadas regulares, destacando que andar observando e percebendo as manifestações da natureza pode proporcionar enormes benefícios para saúde física e mental do praticante.

 

    Alves e Afonso (2014, p. 14) publicaram o artigo intitulado “Caminhada em Trilhas Naturais: Uma Perspectiva Interdisciplinar a partir da Educação Física”, onde esclarecem a “inegável contribuição que a caminhada por trilhas naturais pode proporcionar às pessoas, melhorando a força muscular, a resistência física, a autoestima, aumentando o bem-estar e aliviando o estresse. Os autores destacam ainda “que um dos fatores primordiais desta prática na natureza é contribuir para conscientização da importância de mudar de atitude e comportamento nas questões ambientais, aprendendo a preservar, respeitar e cuidar melhor do meio em que vive”. (Alves; Afonso, 2014, p.14)

 

    Posto isto, a trilha para a Praia Brava constitui uma inquestionável oportunidade para a realização de uma atividade de lazer na natureza, em vista disso seguir-se-á para o próximo item do artigo que discutirá esta prática que irá ocorrer em um ambiente natural a partir dos domínios culturais do lazer, apreendendo-o também o lazer e o seu processo educativo. (Marcellino, 2006)

 

Lazer na Trilha para a Praia Brava: Domínios, valores e possibilidades enquanto veículo de educação

 

    Nesta seção utilizar-se-á como fundamentação teórica os escritos de Marcellino (2006), serão feitas considerações sobre os domínios, e possibilidades do lazer, situando a Trilha para a Praia Brava neste contexto. Com base na leitura de Marcellino (2006) evidencia-se os domínios culturais do lazer como sendo: Interesses Artísticos, Intelectuais, Físicos, Manuais, Sociais e Turísticos. Com exceção dos interesses manuais, todos os demais são aplicáveis neste entendimento que será discutido nos tópicos a seguir:

  • Interesse Artístico: o imaginário, com suas imagens, emoções e sentimentos, a trilha proporciona admirável beleza cênica, provocando encantamento nas pessoas, inspirando-as a pintar, fotografar, escrever ou simplesmente contemplar a beleza da rica biodiversidade do local.

  • Interesse Intelectual: pode ser explorado nos aspectos atinentes à Mata Atlântica discutidos na seção anterior. A preocupação com o meio ambiente encontra nesta trilha um excelente instrumento para estudo e conhecimento sobre particularidades deste bioma.

  • Interesse Físico: são óbvios ao longo da trilha, possibilitando além de andar na trilha, nadar no mar, que apesar do nome da praia, normalmente permanece em boas condições para natação. Os benefícios das atividades físicas são bastante conhecidos, sendo sua prática recomendada na maioria das situações por todos os profissionais de saúde.

  • Interesse Social: A Praia Brava e sua trilha de acesso possibilitam encontros com os amigos e familiares, que podem usufruir de uma praia com menos pessoas, atendendo aos interesses sociais

  • Interesse Turístico: Ao percorrer a Trilha para a Praia Brava o caminhante está usufruindo dos três Patrimônios Nacionais citados anteriormente. Dentro deste domínio cultural do lazer, podem ser observados na praia e na trilha espécies de plantas silvestres como os Caraguatás, bem como espécies de pássaros selvagens típicos da região, além de explorar e conhecer um local turístico do litoral norte do Estado de São Paulo.

    Como valores culturais do Lazer apontados por Marcellino (2006) destaca-se o valor romântico, o biólogo Roberto R. Langue (Langue, 1999) relembra que caminhar por uma trilha nativa é fascinante por si mesmo, pelo simples fato de poder apreciar e conviver com as florestas da Mata Atlântica, representando um espaço mágico capaz de evocar lembranças do passado e possibilidades do futuro, “nada estimula mais o espírito humano do que a natureza primitiva!” (Langue, 1999, p. 08). A trilha pela Mata Atlântica apresenta aos caminhantes um espaço privilegiado para vislumbrar a natureza, explorando a biodiversidade presente no local.

 

    A Trilha para a Praia Brava apresenta o processo educativo que compõe o campo do lazer, essa prática pode ser encarada enquanto veículo de educação. A Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA), instituída pela lei federal nº 9795/1999 (Brasil, 1999), em seu artigo oitavo, prevê ações de estudos, pesquisas e experimentações que busquem alternativas curriculares na área ambiental, bem como o apoio a iniciativas e experiências locais e regionais, incluindo a produção de material educativo.

 

    A Praia Brava, bem como sua trilha de acesso pode servir como um instrumento disponível às escolas, e à população em geral para estudos, lazer e saúde, podendo contribuir para uma consciência pública sobre a necessidade de recuperação e manutenção dos ecossistemas, como almejam a Lei da Mata Atlântica e a PNEA.

 

    Deste modo podemos compreender a Trilha da Praia Brava como instrumento de lazer, no qual o caminhante poderá desenvolver diversos aspectos que fazem parte de uma prática com essas características. A partir dos conceitos de Marcellino (2006) foi possível apreender as diversas possibilidades que esta atividade apresenta aos indivíduos que buscam no seu tempo disponível um maior contato com a natureza e que se interessam pelas questões ambientais.

 

Conclusões

 

    Utilizar trilhas naturais como forma de lazer literalmente une o útil ao agradável, mesmo caminhando sem interesse definido numa típica atividade de lazer, é praticamente impossível não ficar encantado com as manifestações de uma trilha natural. Na Trilha para a Praia Brava pode-se aprender e ensinar sem que as pessoas se dêem conta que estão participando de um processo pedagógico.

 

    Ao apreendermos os processos educativos que o lazer apresenta, a Trilha para a Praia Brava pode ser utilizada como um veículo de educação, oportunizando o lazer como uma ferramenta educativa que pode ser desenvolvida em diversos contextos. No âmbito escolar esta atividade deve ser pensada pelos professores de forma que ela se encaixe como um exercício de lazer, ou seja, que os alunos participem desta prática sem nenhum tipo de obrigação, e que ocorra fora do tempo das obrigações.

 

    É possível compreender que os diversos domínios do lazer podem ser desenvolvidos dentro de uma atividade que ocorra na natureza. Ao analisarmos a Trilha da Praia Brava vimos que os indivíduos ao realizarem esta prática podem desenvolver os interesses artísticos, intelectuais, físicos, sociais e turísticos presentes dentro de um exercício de lazer.

 

    Conhecer a Mata Atlântica é um ponto importante para que as pessoas a respeitem, percorrer a trilha durante o tempo disponível para o lazer pode contribuir sobremaneira para este conhecimento. Como expressão de lazer, a trilha deve ser encarada como uma atividade que pode desenvolver diversos aspectos nos seus caminhantes, trazendo satisfação e ocorrendo durante o seu tempo disponível, tirando qualquer caráter de obrigatoriedade durante a sua prática.

 

    Logo, as atividades de lazer na natureza devem ser incentivadas nos diversos setores da sociedade, já que estas se apresentam como importantes ferramentas que tem capacidade para desenvolver múltiplas características que compõem uma prática de lazer, ampliando assim o aspecto social e pessoal das pessoas.

 

Referências

 

Alves, M. A; Afonso, G. F. (2014). Caminhada em Trilhas Naturais: Uma Perspectiva Interdisciplinar a partir da Educação Física. In: Alves, M. A. Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor. Curitiba: Secretaria da Educação do Paraná.

 

Bastos, J. J. D; Duquia, R. P. (2007). Um dos delineamentos mais empregados em epidemiologia: estudo transversal. Scientia Medica. Escola de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Nº 4. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/%20scientiamedica/article/viewFile/2806/2634. Acesso em: 05 Set. 2019.

 

Brasil (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. Brasília: Artigo 225, parágrafo quarto.

 

Brasil (2006). Lei Federal nº 11428 de 22 de dezembro de 2006. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11428.htm. Acesso em: 12 Fev. 2018.

 

Brasil (1999). Lei Federal nº 9795/1999 de 27 de abril de 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9795.htm. Acesso em 26 Mai. 2018.

 

Gomes, C. L. et al. (2014). Lazer sustentabilidade e meio ambiente na América Latina: problematizações e desafios. Revista Brasileira de Estudos do Lazer. Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional Universidade Federal de Minas Gerais, Nº 3. Disponível em: https://seer.ufmg.br/index.php/rbel/article/view/900/695. Acesso em: 20 Jun. 2018.

 

Guerra, I. C. (2006). Pesquisa qualitativa e análise do conteúdo. São João do Estoril: Princípia.

 

IBGE. (2017). Cidades@. São Paulo – Caraguatatuba. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/v4/brasil/sp/caraguatatuba/panorama. Acesso em: 12 Fev. 2018.

 

Kunzler, M. R. et al. (2014). Saúde no parque: características de praticantes de caminhada em espaços públicos de lazer. Saúde Debate. Centro Brasileiro de Estudos de Saúde, Nº 102. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v38n102/0103-1104-sdeb-38-102-0646.pdf. Acesso em: 24 Mai. 2018.

 

Langue, R. R. (1999). Mata Atlântica: Atlantic Rain Forest. Curitiba: Natugraf,

 

Marandola, E. J. et al. (2013). Crescimento urbano e áreas de risco no litoral norte de São Paulo. Revista Brasileira de Estudos da População. Associação Brasileira de Estudos Populacionais Fundação Carlos Chagas, Nº 1. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-30982013000100003. Acesso em: 12 Fev. 2018.

 

Marcellino, N. C. (2006). Estudos do lazer: uma introdução. Campinas: Autores Associados.

 

Myers, N et al. (2000). Biodiversity hotspots for conservation priorities. International Weekly Journal of Science Nature. Springer Nature Publishing, Nº 403. Disponível em: http://www.nature.com/nature/journal/v403/n6772/full/403853a0.html. Acesso em: 12 Mai. 2018.

 

RBMA (2018). Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. Disponível em: http://www.rbma.org.br/rbma/index_rbma.asp. Acesso em: 12/02/2018.

 

Raimundo, S. et al. (2010). Análise da cronologia de criação das estâncias turísticas no Estado de São Paulo. Coletânea do VII Seminário da Associação Nacional Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo. Universidade Anhembi Morumbi. Disponível em: http://www.al.sp.gov.br/repositorio/bibliotecaDigital/20867_arquivo.pdf. Acesso em: 06 Mai. 2018.

 

Rechia, S.; Ladewig, I. (2014). Espaços de Lazer, Meio Ambiente e Infância: Relação entre Sustentabilidade Social e Ambiental para o Desenvolvimento Integral do Cidadão Urbano. Revista Brasileira de Estudos do Lazer. Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional Universidade Federal de Minas Gerais, Nº 3. Disponível em: https://seer.ufmg.br/index.php/rbel/article/view/870/694. Acesso em: 23 Mai. 2018.

 

São Paulo (2006). Plano de Manejo do Parque Estadual da Serra do Mar. Disponível em: http://iflorestal.sp.gov.br/files/2013/03/Plano_de_Manejo_Pe_Serra_do_Mar.pdf. Acesso em 24 Mai. 2018.

 

São Paulo (2012). Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte. Disponível em: https://www.emplasa.sp.gov.br/RMVPLN. Acesso em: 12 Fev. 2018.

 

Thomas, J. et al. (2012). Métodos de pesquisa em atividade física. Porto Alegre: Artmed.


Lecturas: Educación Física y Deportes, Vol. 24, Núm. 256, Sep. (2019)