La influencia del Movimiento Renovador en las clases de Educación Física en Río de Janeiro

Resumen

Como crítica de la perspectiva de la Educación Física Escolar centrada en la aptitud física y el desarrollo técnico-deportivo, a partir de la década de 1980 surgió el movimiento renovador. A lo largo de los años, estas propuestas se han incorporado a cursos de capacitación y documentos de enseñanza oficiales. Se esperaba que las clases representaran las propuestas de este movimiento, pero paradójicamente hemos visto intervenciones difusas e incluso aleatorias, a menudo representadas por "tirar la pelota". Dada la necesidad de promover prácticas innovadoras, este estudio buscó docentes que, alineados con los movimientos renovadores, intentan desarrollar clases que aborden y representen tal conocimiento. Por lo tanto, se investigó la influencia del movimiento renovador en la intervención pedagógica de tres profesores de Educación Física del sistema escolar municipal de Río de Janeiro. Se utilizó una forma de observación sistemática compuesta por indicadores didáctico-metodológicos. Se concluye que el grupo analizado parece haber superado el deporte como contenido hegemónico de la Educación Física. Además, los datos revelan posibilidades de contextualización de los contenidos de la cultura corporal que valoran la diversidad, la identidad y el patrimonio cultural de los estudiantes como posibilidades de formación ciudadana.

Palabras clave: Movimiento Renovador, Educación Física escolar, Intervención profesional, Didáctica

Citas

Almeida, A. P. (2004). A educação física escolar: possibilidades. In: Encontro Fluminense de Educação Física Escolar, 2004. Anais do VIII EnFEFE, Niterói: Universidade Federal Fluminense.

Bagnara, I. C., Fensterseifer, P. E. (2019). O desafio curricular da educação física escolar: sistematizações de uma pesquisa-ação na escola pública. Revista Movimento. Porto Alegre, V. 25, e25008.

Betti, M., Ferraz, O. L., Dantas, L. E. B. T. (2011). Educação física escolar: estado da arte e direções futuras. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte, São Paulo, v.25, p.105-115, dez.

Brasil. (1998). Ministério de Educação e do Desporto. Parâmetros curriculares nacionais, terceiro e quarto ciclos: Educação Física, Secretaria de Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF.

Fensterseifer, P. E., González, F. J., Silva, S. P. (2019). Educação Física crítica em perspectiva democrática e republicana. Revista Movimento. V. 25, e25070.

Fortes, M.O., Azevedo, M.R., Kremer, M.M., Hallal, P.C. (2012). A educação física escolar na cidade de Pelotas-RS: contexto das aulas e conteúdos. Revista de Educação Física da UEM, Maringá, v.23, n.1, p.69-78.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. (6ª ed.). São Paulo: Atlas.

González, F. J., Fensterseifer, P. E. (2009). Entre o “não mais” e o “ainda não”: pensando saídas do não lugar da educação física escolar I. Cadernos de Formação RBCE, p. 9-24, set.

González, F. J., Fraga, A. L. (2012). Afazeres da educação física na escola: planejar, ensinar, partilhar. Erechim: Edelbra.

Gramorelli, R. C., Neira, M. C. (2009). Dez anos de parâmetros curriculares nacionais: a prática da Educação Física na visão dos seus autores. Revista Movimento, Porto Alegre, v. 15, n. 4, p. 107-126, out./dez.

Kirk, D., Almeida, F. Q., Bracht, V. (2019). Pedagogia crítica da Educação Física: desafios e perspectivas contemporâneas. Revista Movimento, Porto Alegre, v. 25, e25061.

Lutz, T., Telles, S. C. C., Ferreira, M. S. (2014). Educação Física escolar: [ainda] incertezas e indefinições. SALUSVITA, Bauru, v. 33, n. 2, p. 223- 241.

Machado, T. S., Bracht, V., Faria, B. A., Moraes, B., Moraes, C., Almeida U. & Almeida, F. Q. (2010). As práticas de desinvestimento pedagógico na Educação Física escolar. Revista Movimento, Porto Alegre, v.16, n. 2, p.129-147.

Muniz, N. L., Resende, H. G., Soares, A. J. G. (1998). Influências do pensamento pedagógico renovador da Educação Física: sonho ou realidade? Artus, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 11-26.

Oliveira, R. C., Daolio, J. (2014). Na “periferia” da quadra: Educação Física, cultura e sociabilidade na escola. Proposições, v.25, n.2 (74), p. 237-254.

Resende, H. G., Nascimento, V. C. (2004). Indicadores didático-pedagógicos para o ensino da educação física: acordos e desacordos dos autores especialistas. In: E. Lebre e J. Bento, J. (Org.). Professor de educação física - ofícios da profissão. Porto: FCDEF-UP, p. 213-224.

Resende, H. G. (1992). A Educação Física na perspectiva da cultura corporal: uma proposição didático-pedagógica. 1992. 148 f. Tese (Livre Docência em Educação Física) - Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro.

Rezer R. (2007). Relações entre conhecimento e prática pedagógica no campo da educação física: pontos de vista. Revista Motrivivência,v.19, n. 28, p. 38-62.

Sanchotene, M. U. (2007). A relação entre as experiências vividas pelos professores de educação física e a sua prática pedagógica: um estudo de caso. 143 f. Dissertação (Mestrado em Ciências do Movimento Humano) – Escola de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Santos. W., Frossard, M. L., Matos, J. M. C., Neto, A. F. (2018). Avaliação em Educação Física escolar: trajetória da produção acadêmica em periódicos (1932-2014). Revista Movimento. Porto Alegre, v. 24, n. 1, p. 09-22.

Sayão, M. N. (2015). O culto (in)quieto do eu eficaz. Rev. Bras. Ciências do Esporte. v. 37, p. 35-41.

Silva, L. O., Molina Neto, V. (2014). Os sentidos da escola e da educação física para estudantes e docentes de uma rede pública municipal. Revista Movimento, Porto Alegre, v. 20, n.3, p.1139-1158, jul./set.

Soares, C. L., Taffarel, C. N. Z., Varjal, E., Castellani Filho, L. C., Escobar, M., Bracht, V. (1992). Metodologia do ensino da Educação Física. São Paulo: Cortez.

Tavares, N. S., Wittizorecki, L. S., Molina Neto, V. (2018). Educação Física nos anos finais do ensino fundamental, suas formas e seus lugares no currículo escolar: um estudo de revisão. Revista Movimento. Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 275-290.

Publicado
2020-04-21
Cómo citar
Lutz, T., de Souza, A. C. C., & Telles, S. de C. C. (2020). La influencia del Movimiento Renovador en las clases de Educación Física en Río de Janeiro. Lecturas: Educación Física Y Deportes, 25(263), 2-22. https://doi.org/10.46642/efd.v25i263.1600
Sección
Artículos de Investigación