Evolución de los gimnasios en Brasil y su relación con la salud

Resumen

El objetivo del presente estudio fue comprender cómo se produjo la constitución de gimnasios en Brasil como espacios de salud. Se trata una revisión narrativa que analizó cómo las representaciones del cuerpo, así como numerosos aspectos del orden social y económico fueron relevantes en este proceso. Comprender la construcción de estos espacios de prácticas corporales como servicios de salud significa reflejar los supuestos epistemológicos que conforman el área y las posibilidades y formas de actuar del profesional de Educación Física con las personas interesadas. Se argumenta que existe una necesidad urgente de reconocer y/o profundizar los aspectos que caracterizan a los gimnasios como servicios de salud, lo que permite vislumbrar las nociones de cuerpo, salud y enfermedad en el contexto brasileño.

Palabras clave: Gimnasios, Actividad física, Educación Física y entrenamiento, Promoción de la salud, Profesional de la salud, Servicios de salud

Citas

Baptista, T. J. R., & Zanolla, S. R. S. (2016). Corpo, estética e ideologia: um diálogo com a ideia de beleza natural. Movimento, 22(3), p. 999-1010.

Benedetti, T. R. N., Silva, D. A. S., Silva, K. S., & Nascimento, J. V. (coord.). (2014). A formação do profissional de Educação Física para o setor saúde. Florianópolis: Postmix.

Brasil. Ministério da Saúde (2006). Secretaria de Vigilância em Saúde. Política nacional de promoção da saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

Calesco, V. A., & Both, J. (2019). Rating scale for quality of services provided by gyms (QUASPG). Journal of Physical Education, 30(1), e-3011.

Capinussú, J. M. (2006). Academias de ginástica e condicionamento físico: origens. En L. Da Costa (coord.). Atlas do esporte no Brasil (pp. 61-62). Rio de Janeiro: CONFEF.

Carvalho, F. F. B., & Carvalho, Y. M. (2018). Outros... Lugares e modos de “ocupação” da Educação Física na Saúde Coletiva/Saúde Pública. Pensar a Prática, 21(4), p. 957-967.

Carvalho, F. F. B., & Nogueira, J. A. D. (2016). Práticas corporais e atividades físicas na perspectiva da Promoção da Saúde na Atenção Básica. Ciência & Saúde Coletiva, 21(6), p. 1829-1838.

Carvalho, F. F. B. (2019). Recomendações de atividade física para a saúde (pública): reflexões em busca de novos horizontes. ABCS Health Sciences, 44(2), p. 131-137.

Castiel, L. D., Guilam, M. C. R., & Ferreira, M. S. (2010). Correndo o risco: uma introdução aos riscos em saúde. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz.

Conrad, P. (2007). The medicalization of society: on the transformation of human conditions into treatable disorders. Baltimore: The Johns Hopkins University Press.

Cooper, K. H. (2018). The history of aerobics (50 years and still counting). Research Quarterly for Exercise and Sport, 89(2), p. 129-134.

Faria, R. M., & Bortolozzi, A. (2009). Espaço, território e saúde: contribuições de Milton Santos para o tema da geografia da saúde no Brasil. Ra'e Ga - O Espaço Geográfico em Análise, 17, p. 31-41.

Farias, G. O., & Nascimento, J. V. (coord.). (2016). Educação, saúde e esporte: novos desafios à Educação Física. Ilhéus: Editus.

Ferreira, J., & Fleischer, S. (coord.). (2014). Etnografias em serviços de saúde. Rio de Janeiro: Garamond.

Fraga, A. B., Carvalho, Y. M., & Gomes, I. M. (2012/2013). Políticas de formação em Educação Física e Saúde Coletiva. Trabalho, Educação e Saúde, 10(3), p. 367-386.

Freitas, D. C., Silva, F. A. G., Silva, A. C., & Lüdorf, S. M. A. (2011). As práticas corporais nas academias de ginástica: um olhar sobre o corpo fluminense. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 33(4), p. 959-974.

Furtado, R. P. (2008). Convívio social, diversão e entretenimento como valor de uso e promessa nas academias de ginástica híbridas. Licere, 11(2), p. 1-26.

Furtado, R. P. (2009). Do fitness ao wellness: os três estágios de desenvolvimento das academias de ginástica. Pensar a Prática, 12(1), p. 1-11.

Goldenberg, M. (2011). Gênero, “o corpo” e “imitação prestigiosa” na cultura brasileira. Saúde e Sociedade, 20(3), p. 543-553.

Gomes, I. M., Fraga, A. B., & Carvalho, Y. M. (coord.). (2015). Práticas corporais no campo da Saúde: uma política em formação. Porto Alegre: Rede Unida.

Kucera, C. A. C. (2017). Adesão ao exercício físico: a relação entre indivíduo e o ambiente. Dissertação de mestrado, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil.

Leal, V. C. L. V., Catrib, A. M. F., Amorim, R. F., & Montagner, M. A. (2010). O corpo, a cirurgia estética e a Saúde Coletiva: um estudo de caso. Ciência & Saúde Coletiva, 15(1), p. 77-86.

Le Breton, D. (2011). Antropologia do corpo e modernidade. Petrópolis: Vozes.

Le Breton, D. (2016). La sociologie du corps. Paris: Puf.

Malysse, S. (2007). Em busca dos (h)alteres-ego: olhares franceses nos bastidores da corpolatria carioca. En M. Goldenberg (coord.). Nu & Vestido: dez antropólogos revelam a cultura do corpo carioca (pp. 79-137). Rio de Janeiro: Record, 2007.

Mendes, A. D. (2014). Educação Física: atuação profissional e condições de trabalho em academias. Porto Alegre: Orquestra.

Mendes, A. D., & Azevêdo, P. H. (2014). O trabalho e a saúde do educador físico em academias: uma contradição no cerne da profissão. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 28(4), p. 599-615.

Neves, J. A. Jr, & Tourinho, M. B. A. C. (2011). Perfil motivacional para o trabalho dos colaboradores de fitness. Pensar a Prática, 14(1), p. 1-15.

Nogueira, J. A. D., & Bosi, M. L. M. (2017). Saúde Coletiva e Educação Física: distanciamentos e interfaces. Ciência & Saúde Coletiva, 22(6), p. 1913-1922.

Ory, P. (2008). O corpo ordinário. En A. Corbin, J. J. Courtine, G. Vigarello (coord.). História do corpo 3. As mutações do olhar: o século XX (pp. 155-195). Petrópolis: Vozes.

Paim, J. S. (2018). O que é o SUS. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz.

Peres, F. F.,& Melo, V. A. (2014). A introdução da ginástica nos clubes do Rio de Janeiro do século XIX. Movimento, 20(2), p. 471-493.

Peres, M. S. (2011). Tem que correr, tem que malhar: uma reflexão sobre o culto ao corpo na contemporaneidade. Arquivos em Movimento, 7(2), 97-118.

Pitanga, F. G., Beck, C. C., Pitanga, C. P. S., Freitas, M. M.,& Almeida, L. A. B. (2014). Prevalência e fatores sociodemográficos e ambientais associados à atividade física no tempo livre e no deslocamento em adultos. Motricidade, 10(1), p. 3-13.

Quelhas, A. A. (2012). Trabalhadores de Educação Física no segmento fitness: um estudo da precarização do trabalho no Rio de Janeiro. Tese de doutorado, Universidade Estadual Paulista, Marília, SP, Brasil.

Revista Acad Brasil (2017). Mercado mundial de fitness em números. Revista Acad Brasil, 18(78). Recuperado a partir de https://www.acadbrasil.com.br/wp-content/uploads/2019/03/edicao-82.pdf

Rother, E.T. (2007). Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, 20(2), p. 5-6.

Sá, G. B. A. R., Dornelles, G. C., Cruz, K. G., Amorim, R. C. A., Andrade, S. S. C. A., Oliveira, T. P., & Silva, M. M. A. et al. (2016). O Programa Academia da Saúde como estratégia de promoção da saúde e modos de vida saudáveis: cenário nacional de implementação. Ciência & Saúde Coletiva, 21(6), 1849-1859.

Silva, A. C. (2017b). Apontamentos sobre a promoção da saúde na formação profissional em Educação Física. En F. N. A. Anacleto, G. M. Silva, J. H. Santos (coord.). Educação Física e interfaces com a história, o currículo e a formação professional. Curitiba: CRV.

Silva, A. C. (2017a). Corpos no limite: suplementos alimentares e anabolizantes em academias de ginástica. Jundiaí: Paco Editorial.

Silva, A. C., Freitas, D. C., & Lüdorf, S. M. A. (2019). Profissionais de Educação Física de academias de ginástica do Rio de Janeiro e a pluralidade de concepções de corpo. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 41(1), 102-108.

Silva, A. C., & Ferreira, J. (2016). “Suando a camisa” em academias de ginástica do Rio de Janeiro: um estudo etnográfico. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 26(3), 769-783.

Souza, A. C., & Ferreira, J. T. (2016). O fisiculturismo no Brasil: uma análise histórico-social. Lecturas: Educación Física y Deportes, 21(221). Recuperado a partir de https://www.efdeportes.com/efd221/o-fisiculturismo-uma-analise-historico-social.htm

Wachs, F., Almeida, U. R., & Brandão, F. F. F. (coord.). (2016). Educação Física e Saúde Coletiva: cenários, experiências e artefatos culturais. Porto Alegre: Rede Unida.

Zhu, W. (2018). What a journey! What a contribution! - an interview with Dr. Kenneth H. Cooper, the “father of aerobics”. Research Quarterly for Exercise and Sport, 89(2), p. 135-142.

Publicado
2020-03-26
Cómo citar
Silva, A. C., & Ferreira, J. (2020). Evolución de los gimnasios en Brasil y su relación con la salud. Lecturas: Educación Física Y Deportes, 24(262), 101-111. https://doi.org/10.46642/efd.v24i262.1897
Sección
Artículos de Revisión